terça-feira, 8 de setembro de 2009

Dúvidas, escolhas, certezas


Eu acho que decidi tanta coisa ao longo dos dois últimos anos que até cansei. Entre pequenas e grandes decisões, escolhi torrar minha poupança na Nova Zelândia, resolvi pedir demissão e ser frila, montar uma sociedade e decidi terminar um casamento. Ufa. Essas foram só as grandes. Das pequenas já nem me lembro. Essas tomam a vida da gente a todo momento. O que vestir? O que comer? Aceito esse trabalho mal remunerado? Faço o exame de faixa agora ou só no ano que vem? Vou treinar hoje ou não? Vou a pé ou de carro? Gasto dinheiro com isso? Crio mais um blog? Respondo essa mensagem? A lista é infinita.

Para mim, a parte mais difícil de tomar decisões é ficar eternamente me martelando se tomei a decisão certa. Quando os outros decidem pela gente é tão mais simples. Pois eis que lendo duas revistas nesse feriadão, me deparei com reflexões muito boas sobre as decisões. Em uma revista, um filósofo diz que temos sempre a impressão de que estamos escolhendo “entre isso e aquilo”, entre duas opções, quando na verdade, as escolhas são permeadas por uma gama de fatores que vão se transformando o tempo todo. “Não se para o tempo para fazer uma escolha entre duas opções”, diz ele.
.
Já a outra revista traz o tema “escolhas” logo na capa. É a revista Sorria*, cuja venda é revertida para o GRAAC (comprem, comprem, comprem!). Mais interessante que a matéria em si, o editorial da Roberta Faria, a editora-chefe, quase afagou minha alma. Era tudo o que eu precisava ler. Reproduzo aí abaixo os trechos mais interessantes.
Boa semana, pessoal!!

Débora – A Descasada

Num piscar de olhos
Todas as grandes decisões que tomei na vida foram fáceis. Dito assim, soa prepotente, mas é verdade – porque no fundo sempre soube exatamente o que queria. Não que escolher rapidamente seja uma habilidade especial. Parece mais um instinto primitivo.
(...)
O fato é que a decisão era simples, e estava tomada, por maior que fosse a questão: ter ou não ter filhos, mudar ou não de cidade, terminar ou não o namoro, continuar ou sair do trabalho. O mais difícil, angustiante e assustador sempre foi assumir a escolha. Ter coragem para dizer, em voz alta e para quem quisesse ouvir, que esta é a minha aposta. Porque, quando faço isso, estou renunciando a todas as outras opções. Disponho-me ao incerto e tenho de enfrentar as consequências, imensas ao menos na imaginação. Foi isso – e não escolher – que mais me doeu em todas aquelas grandes decisões.
(...)
Enquanto a escolha mora apenas nas ideias, permaneço no universo do “e se...” (...) É longo o caminho do “e se...”. Cheio de ilusões, de diálogos imaginários, de uma ansiosa tentativa de controlar todas as variáveis – que é, claro, não controlo.
(...)
Essas experiências todas me ensinaram três coisas. A primeira é confiar nos meus instintos – e me agarrar àquela decisão tomada num piscar de olhos. Tento então gastar o tempo em que pensava no “e se...” planejando como vou assumir – e bancar – a tal escolha feita. A segunda é que nunca terei certeza de que estou fazendo a coisa certa: a vida é risco, e tudo o que posso fazer é me esforçar para que funcione. E a terceira é que, se tudo der errado, posso mudar de ideia – até porque, quanto mais escolhas duras eu faço, mais fáceis são as próximas.

13 comentários:

Andarilho disse...

Eu há muito desisti de tentar fazer a 'escolha certa', pq não existe uma escolha certa.

Existem apenas escolhas, decisões e consequências. Que a gente só consegue enxergar o quadro todo quando ele já passou.

8 de setembro de 2009 11:18
Vivi disse...

É incrível como a gente, muitas vezes, duvida da nossa intuição. É ela que nos fala como que num sussurro ao pé do ouvido e nos mostra claramente o caminho a seguir. É ela que faz a escolha ser fácil, como diz o artigo. Se a gente dá muito valor à dúvida, ficamos paralisadas. Eu concordo totalmente com o artigo. Quantas decisões eu sempre soube que deveria tomar, e adiei por conta do se expor. Mas acho também que tudo é aprendizado. Quando a gente aprende a confiar na nossa intuição, tudo parece que fica mais fácil. Eu acho que demorei um pouco pra descobrir isso. Mas nunca é tarde,né?
beijos

8 de setembro de 2009 11:38
Karina disse...

Post muito muito bom...Adorei as mudanças na sua vida...mulher de coragem!!! Bju

8 de setembro de 2009 13:51
♥ Driii ♥ disse...

Bacana esse editorial hein!?!?
Afagou minha alma também.
Esses dias estava pensando nisso: nesses últimos meses, minha vida praticamente não me exigiu tomadas de posições grandes como as ue tomei no ano passado.Aí, concluí que nesses últimos meses, minha vida esteve se posicionando para os novos caminhos por mim escolhidos.
E algo em mim se aquietou...
Afinal a vida é um ciclo...
E um ciclo interessantíssimo....

Beijocas ....

8 de setembro de 2009 14:21
Patrícia Costa disse...

O grande "peso" está nas consequencias das nossas escolhas... ISSO sim é o que amedronta... O risco... e a grande verdade é que sempre estamos correndo riscos...

E vou ler o artigo, ver se Afaga a minha alma também.

Abraço!!!!

8 de setembro de 2009 14:54
Nina disse...

As escolhas que fiz, sempre assumi. Muito embora, se pudesse, teria voltado atrás em várias. Mas sempre paguei o preço.

Agora, e quando escolhem pela gente? Aí sim, fica difícil...

Consolo-me com a máxima de que não existe caminho melhor do que o outro. A felicidade, quero acreditar, pode ser construída em qualquer lugar.

beijos e obrigada pelo texto!

8 de setembro de 2009 16:47
Rita H. Abematsu disse...

Como disse o "Andarilho", não existe "escolha certa", entretanto a escolha que fizer sempre será a CERTA. Concordo que escolher é fácil o duro é renunciar a todas as outras opções, assumir a escolha e pagar um preço por ela, pois pode ter certeza que a gente paga.
Escolher o caminho a ser trilhado é algo fascinante e é isso que nos move todos os dias ao abrir os olhos.
Adorei o post, bjs

9 de setembro de 2009 00:34
Giovana disse...

Dé, post de uma mente que fervilha de ideias e escolhas. Que bom! O movimento é o que importa. Se bem que, às vezes, não há nada de errado em ser um gatinho olhando a janela, com um ponto de interrogação no pensamento.

O importante é seguir, apostar, crescer com os erros, curtir os acertos e virar a página (sem olhar pra trás) no momento certo. Nada pode ser melhor do que escolhemos, porque isso simplesmente não existe.

beijos, Gio - A Solteira.

9 de setembro de 2009 01:01
mulherpolvo disse...

Escolher e bancar a escolha. Depois, esquecer o termo "culpa".

9 de setembro de 2009 10:14
Ana Carolina disse...

Penso que as nossas escolhas e as consequências que experimentamos em decorrência delas nos dão a oportunidade do crescimento e do aprendizado. Concordo com o comentário da Giovana.
Entre sucessos e tropeços, vamos nos fortalecendo para trilhar nossos caminhos com mais confiança e serenidade.
Beijinhos mil, meninas!!!

9 de setembro de 2009 17:43
Anônimo disse...

Parabéns! Tenho que dizer que fiquei emocionada ao ver como ela expressou tao bem o que acontece com todas nós qdo o assunto é tomar decisão!

9 de setembro de 2009 18:04
Beta disse...

se eu tivesse contado quantas vezes relí esse texto...obrigadinha Amiga...eu tou precisando novamente tomar uma atitude...e esse texto me motivou!

tem algumas atitudes que são fróids de resolver né

beijo

10 de setembro de 2009 20:50
日月神教-任我行 disse...

ssd固態硬碟 外接式硬碟 餐飲設備 製冰機 洗碗機 咖啡機 冷凍冷藏冰箱 蒸烤箱 External Storage Solid State Drives 關島機加酒 關島婚禮 關島蜜月 花蓮民宿 彈簧床 床墊 獨立筒床墊 乳膠床墊 床墊工廠 巴里島旅遊 巴里島spa推薦 巴里島機票 巴里島行程推薦 記憶體 情趣用品 情趣用品USB Flash DrivesMemory Cards 產後護理之家 月子中心 坐月子中心 坐月子 月子餐 投資美國物業 美國租金報酬 美國房屋買賣 房地產投資說明會 美國房地產 美國置產須知 美國房屋物件 SD記憶卡 隨身碟 高雄當舖 高雄汽車借款 高雄機車借款 高雄房屋二胎貸款 高雄汽機車免留車

18 de junho de 2015 06:18