segunda-feira, 2 de novembro de 2009

Sobre chacretes e mulheres-objeto


Aproveitei o feriado para ir ao cinema e ver Alô, Alô, Terezinha!, documentário de Nelson Hoineff sobre o Chacrinha. Estava curiosa para ver o filme, do qual nem gostei muito: achei superficial e pouco informativo, vale mais pelas imagens da época em que o apresentador fazia sucesso e pela bizarrice que eram os shows de calouros e apresentações musicais na tevê. Agora, se teve alguma coisa que me tocou na fita, foram as entrevistas com as chacretes. Aquelas que foram ouvidas pelo diretor devem ter lá os seus 50, 60 anos, não menos. Mas, até hoje, vivem presas à imagem de gostosas, ao estereótipo de mulher-objeto.

Eu não tenho nada contra o fato de uma mulher se achar gostosa. A gente tem que se achar mesmo, se amar! E isso inclui o corpo, por que não? Somos forma e conteúdo sim. A questão é que o tempo passa. E ninguém terá 20 anos para sempre. Assim, ver a ex-chacrete Índia Potira, hoje uma senhora fora de forma, rindo e dançando para as câmeras sem roupa, só com alguns acessórios, dentro de uma fonte de uma cidade do interior, achando que ainda é a boazuda de outrora, me pareceu uma cena bem deprimente.

Índia Potira, você não precisava dessa apelação. Imagino que, ao longo dos anos, tenha feito muita coisa boa, vivido, experimentado, trabalhado, viajado, casado, descasado, tido filho. Tudo bem se você não for mais jovem, quem disse que as mulheres não podem ser lindas na maturidade?


É triste, bem triste ver a máscara de mulher-objeto colada no rosto de uma senhora. Como se o passado fosse limitado à lembrança daquilo que um dia foi um corpo perfeito.

Isabela – A Divorciada

13 comentários:

Clarissa B. disse...

Nossa... q triste... e imagino que a cena não deve ser das mais lindas e agradáveis de se ver...é uma pena...

Bom final de feriado...

Bjo.

2 de novembro de 2009 22:58
Andarilho disse...

É triste quando a pessoa se prende ao passado, e não quer largar, mesmo que tudo tenha mudado. Esse parece ser o caso da chacrete.

2 de novembro de 2009 23:07
Nivaldo Vasconcelos disse...

Amiga, fiquei imaginado sua cara e aquele seu sorrisinho vendo a Índia Potira dançando nua na fonte, nossa!!!
Dantesco isso.
Amei o texto, como sempre foi no ponto.
Um beijo

2 de novembro de 2009 23:56
Paulinha Costa disse...

E na vida é tão fácil encontrar Indias Potiras por ai... elas não estão nuas, nem foram chacretes, mas fingem que o tempo não passou, sem se dar conta do ridículo de estar vivendo os seus 17 anos que já se foram a muito tempo.

3 de novembro de 2009 09:04
mulherpolvo disse...

Cada idade tem seu encanto, né?!
Realmente não precisava... Eu já havia lido a crítica do filme e já estava sabendo da ìndia.
Eu conheço, na vida real, pessoas que não querem deixar o tempo passar... Perdem mais do que ganham...

3 de novembro de 2009 09:39
Paloma, a mãe disse...

Não falo nem pelo ridículo, já que cada um vive como quer, mas pela tristeza que é não saber se desvencilhar do passado. Também conheço pessoas assim, que nçao andam pra frente e se prendem ao que passou (e não só à aparência do passado, mas à vida do passado).

3 de novembro de 2009 12:51
André disse...

E quantas outras Índias Potiras estão por vir? A TV é um meio muito vaidoso e narcisista. Poucos sobrevivem ilesos as tentaçoes da vaidade. Fico pensando nos arqueólogos daqui alguns milhoes de anos encontrando ossadas e 2 bolsas de cilicone. Coisa estranha!

PS: Estive ocupado. Também estava com saudades de escrever e ler essas "belezuras"!!! Bjók

3 de novembro de 2009 12:56
♥ Driii ♥ disse...

Fiquei pensando o quão vazia deve ser a vida dela vivendo do passado...
Aff!!!


Beijão Bela!

3 de novembro de 2009 13:27
Sal disse...

Faço das palavras da Paloma, as minhas!!!

Concordo em gênero, número e grau!

3 bjos

3 de novembro de 2009 14:47
3 x Trinta - Solteira, Casada, Divorciada disse...

Ai que meda! Vale o filme por essa cena?? =D

bitocão

deb

3 de novembro de 2009 16:19
mirna disse...

Eu gostei do documentario. cresci vendo meus pais assitirem ao Chacrinha. Adorei a India Potira!lembro do meu pai falar que era uma mulher muito bonita. Não cabe a nos julgarmos ninguem. isso e fato. Temos que aprender a respeitar o proximo, seja qual for sua personalidade e carater. Todos nos erramos. Se ela e feliz dessa forma, respeitamos isso. Não vejo mal nessa atitude dela. Ha males muito piores no mundo, guerra, fome, etc. Pois todas nos temos uma historia de vida, eu, vc que le meu comentario, a India Potira. Por ser uma pessoa publica, todos criticam. Teremos a idade dela no futuro e so Deus e cada um de nos sabemos o que vai no nosso intimo, Ser chacrete para todas elas foi e é muito importante. Tiveram seu espaço na televisão brasileira, sendo objeto ou não. Respeitemos cada um, seu passado seu presente e seu futuro. Abraços a todos! mirna aléxia, 44 anos, mãe solteira e muito feliz!

8 de março de 2011 19:13
edilma disse...

lamento o que a india fez no filme pois sou uma das chacretes e não gostei de ser chamada por ela de mulher de programa, quanto ao nosso passado é impossivel de esquecer pois as pessoas como voces mesmo que nos criticam estão sempre curiosos perguntando por nós e nos cobrando juventude eterna casei,tive filho e sou guia de turismo como se ve minha vida não parou por causa do meu passado, caminho, faço academia e fecho a boca pra me manter como qualquer mulher saudavel.

7 de abril de 2011 09:07
日月神教-任我行 disse...

ssd固態硬碟 外接式硬碟 餐飲設備 製冰機 洗碗機 咖啡機 冷凍冷藏冰箱 蒸烤箱 External Storage Solid State Drives 關島機加酒 關島婚禮 關島蜜月 花蓮民宿 彈簧床 床墊 獨立筒床墊 乳膠床墊 床墊工廠 巴里島旅遊 巴里島spa推薦 巴里島機票 巴里島行程推薦 記憶體 情趣用品 情趣用品USB Flash DrivesMemory Cards 產後護理之家 月子中心 坐月子中心 坐月子 月子餐 投資美國物業 美國租金報酬 美國房屋買賣 房地產投資說明會 美國房地產 美國置產須知 美國房屋物件 SD記憶卡 隨身碟 高雄當舖 高雄汽車借款 高雄機車借款 高雄房屋二胎貸款 高雄汽機車免留車

17 de junho de 2015 20:40