quarta-feira, 28 de setembro de 2011

Minha solidariedade às amigas com cólica

Aproveitando o gancho do assunto de ontem:

Todos os meses agradeço a todos os santos por nunca ter sentido um tiquinho de cólica na vida. Mas me solidarizo imensamente com as amigas que ficam sofrendo à minha volta. E acho tão injusto quando quem está do lado menospreza este sofrimento, como se fosse algo que as mulheres fossem obrigadas a passar, ou seja, deveriam enfrentar sem reclamar.

Se a menstruação é parte da ovulação, e se a ovulação é uma condição para a perpetuação da espécie, então todos os seres humanos deveriam ter uma parcela de responsabilidade com isso. Assim como as mães têm direito constitucional de se ausentar alguns meses do trabalho para cuidar do novo ser humano que gerou, cólicas e outras consequências desse processo também deveriam ser vistas com olhos mais solidários. Não estou propondo aqui uma “lincença-cólica” – apesar que às vezes elas são tão agudas a ponto de incapacitar mesmo a pessoa por uns dias – mas acho que as mulheres precisam começar a dividir este ônus, não escondendo o que sentem, pedindo ajuda e, sim, se ausentando de suas atividades, se necessário.

Também acho que a medicina está muito atrasada neste quesito. Não é possível que os cientistas já estejam quase chegando na fórmula da vacina contra a Aids e não conseguem resolver um problema tão antigo e aparentemente simples como as cólicas menstruais.

Enfim, é só um desabafo de quem não aguenta mais ver as colegas passarem por este martírio todos os meses, chegando ao trabalho como se tivessem sido atropeladas e precisado fazer de conta que tudo está muito bem, obrigada. Como elas ainda conseguem sorrir?

Para os leitores do sexo masculino, ou para as que nunca passam por isso, proponho que façam o seguinte cálculo: Se o problema acontece por uma semana por mês, isso representa um quarto do mês. Considerando uma menina que menstruou com 15 anos e que ovulou até os 50, serão, portanto, um quarto de 35 anos, ou seja, quase nove anos de dor. É tempo demais!

Patrícia, A Solteira

7 comentários:

Anônimo disse...

E tem umas mulheres que além da cólica tem dores de cabeça horríveis enquanto duram o ciclo...

28 de setembro de 2011 09:13
Evelin disse...

Issso mesmo!!!!

Adorei o conceito “lincença-cólica”. Deveria existir sim!!!!

Posso dizer que hoje estou infinitamente melhor, a base de remédio claro, mas a dor está menor, não desapareceu. Ontem mesmo estava com dor...

Não faz muito tempo também que todo mês era sagrado eu ter cólica aguda, a ponto de ficar de cama, com febre, chorando de tanta dor. Minha irmã, tadinha, até chorava comigo.

Cansei de ir para o trabalho assim, só fazia pedir um tempo para o meu chefe, garantindo a ele que iria passar. Percebendo o meu sofrimento, me mandava ir embora. Certa vez, até me deixou em casa...
Quando chegava com aquela cara de morta, meu chefe "iiii... Evelinzinha".

Enfim, vou me candidatar nas próximas eleições, ingressar no poder legislativo, e colocar na lei o “lincença-cólica” =)
beijos

Evelin

28 de setembro de 2011 11:29
3 x Trinta - Solteira, Casada, Divorciada disse...

Muito agradecida pela solidariedade!!
=D

E saibam que essa história de "licença-cólica" não é de toda absurda. Já existem vários grupos feministas pleiteando tal ideia nos EUA e na Europa.

Eu tive vergonha durante muito tempo. Certa vez, a mãe de uma amiga minha de colégio disse: chama logo a mãe dessa menina, não quero que ela fique passando mal aqui na minha casa (porque eu estava vomitando).

Fiquei arrasada, morrendo de vergonha. Como se fosse uma opção.

Hoje, aos 32 anos, e depois de muita dor, eu taco o foda-se e digo logo: cólica menstrual. Só eu sei o quanto meu dói (eu, a Evelin e as outras que sofrem), então, que se dane.

beijooos e #painfree!

deb

28 de setembro de 2011 12:32
O Divã Dellas disse...

Ai...
Dói só em falar... Nem em fale!
Beijos,
Cinthya - O Divã Dellas

28 de setembro de 2011 13:41
Anônimo disse...

Liz
E pior: dor nas pernas, nas costas, de cabeça, vontade de chorar, de comer doce, de dormir o dia inteiro...Um inferno! Que para mim já somam estes 09 anos de dor que a Patrícia falou. E quase sempre tendo que fingir no trabalho que está tudo bem, tudo ótimo, quando agente quer morrer.

28 de setembro de 2011 14:10
Dany Ribeiro disse...

Eu sofri MUITO com isso, até o dia que meu ginecologista me perguntou se eu gostaria de suspender o meu ciclo menstrual.

Já são mais de 5 anos sem um sintoma sequer. Cólicas NUNCA MAIS!!!!

30 de setembro de 2011 01:42
Anônimo disse...

Gente, a melhor coisa que inventaram foi o anticoncepcional,ainda melhor a possibilidade de não menstruar. Sempre tive dismenorréia, e ainda tenho diagnositco provável de endometriose. Minha menstruação nunca me trouxe coisas boas, só võmitos sensação de desmaio e assaduras...e dor muita dor...kkk

29 de novembro de 2012 23:12