quarta-feira, 29 de fevereiro de 2012

Café da manhã em Copacabana

Hoje tem convidada especial: a Daniela Maria, uma leitora queridíssima, moradora da cidade maravilhosa, divorciada, fofa. O tema do post? As descobertas especiais que a gente faz depois que se separa, incluindo pequenos grandes prazeres como tomar café da manhã com as amigas em Copacabana. Achei luxo.

Dani, obrigada pelo texto. Adorei, viu? Escreva sempre.

Beijos para ela e para vocês todos,

Isabela – A Casada

Se tem um lado positivo nos processos de separação e pós-separação é que você percebe que possui uma força que você mesma nem sabia que tinha. Esse é um momento de muitas descobertas. Além da força e da coragem até então desconhecidas, descobrimos novas amigas em antigas colegas (especialmente as que também passaram por um divórcio), descobrimos novos pontos de vista a respeito de situações sobre as quais tínhamos opinião formadíssima, descobrimos como é bom e enriquecedor compartilhar experiências e, o mais legal de tudo, descobrimos que as amigas são as melhores companhias do mundo ao toparem mil programas com você. Programas que também levam a muitas descobertas...

Eu já tinha o hábito de caminhar bem cedinho na orla de Copacabana nos finais de semana. E o mantive após a separação. Aquele era o meu momento, quase uma terapia. Eu passava a limpo o meu passado e fazia mil planos para o futuro. Mas eu não me sentia sozinha: o mar, o céu, o calçadão, aquela gente toda caminhando, correndo, andando de bicicleta ao meu redor, me faziam companhia enquanto eu andava para cuidar da minha saúde e, especialmente, da minha cabeça. E foram muitos finais de semana de “terapia” até que eu me aceitasse solteira outra vez. Até que eu estivesse pronta para recomeçar. Esse dia finalmente chegou, quando descobri que havia um novo caminho a percorrer e que o sol já tinha nascido nessa estrada nova, eu é que não havia notado...

Então passei a caminhar com as amigas na mesma orla. E notei que o mesmo mar e o mesmo céu estavam mais azuis, o calçadão mais animado, as pessoas em volta, mais interessantes. O que teria mudado ali? A vida estava mais colorida!!! Aproveitando esse clima de praia no meio da cidade, falávamos sobre tudo: o casamento, o trabalho, a separação, os sonhos, a novela, como encontrar alguém legal para recomeçar, a falta de tempo e de vontade para ir para a academia, os homens, a vida dos outros, celulite, sexo, as vantagens de se ter 30 e poucos anos. Abríamos nosso coração, dividíamos experiências, aprendíamos muito trocando histórias. E que delícia encerrar esse passeio com um delicioso café da manhã (mesmo que já fosse de tarde) em Copacabana. Na mesa, pães e bolos deliciosos, café quentinho, suco na medida certa para refrescar depois de quilômetros de caminhada. No coração, novas idéias, sonhos, planos. E muita vontade de colocar tudo em prática. E feliz da vida por ter amigas tão especiais para dividir tantos momentos: da “balada” à caminhada.

As caminhadas seguidas dos cafés entraram definitivamente para a minha rotina. E as amizades se fortaleceram ainda mais. E, com o passar do tempo, as conversas foram evoluindo, os assuntos principais, os “top five”, eram aqueles relacionados ao momento atual: o namorado ou gato novo, a compra do apartamento, a escola das filhas (das amigas), a última viagem/conquista/projeto. E os cenários foram se modificando também... Às vezes, a varanda da casa da amiga, uma pizzaria no Shopping ou um restaurante de massas se transformam na orla e no café de Copa e, assim, mesmo com a distância e a vida corrida de todas nós, ainda caminhamos na orla e tomamos café em Copa sempre que nos encontramos para conversar.

Daniela Maria – A Divorciada – Em homenagem às amigas muito especiais que Deus colocou na minha estrada nova.

6 comentários:

Anônimo disse...

Queridíssima,

Esta me saindo uma escritora de primeira! Texto leve, interessante, sensível, divertido. E as amigas que também tomam champanhe em Copacabana? Entram nesta estória?
Um beijo,
A do ex-Gustavo

29 de fevereiro de 2012 09:21
Anônimo disse...

Os amigos são (quase) tudo nessa vida!
Do meu pelotão de elite, ninguém está mais com o mesmo parceiro de anos atrás. E nós seguimos unidas - com nossos novos parceiros (né Bela??).

E a separação traz isso que vc citou: novos amigos! E igualmente incríveis =)

Obrigada pelo post!

beijos

deb

29 de fevereiro de 2012 16:06
Diguê disse...

A gente descobre quem a gente é. E isso é o fundamental.

Que bom que você conseguiu tirar tantas lições de uma fase doloridas.

Parabéns pela força e pelo texto.

Bjos da Solteira

29 de fevereiro de 2012 19:00
Giselle Mota disse...

O divorcio tb me mudou tanto e me trouxe tantas coisas boas, que chega a ser comico pensar q uma coisa triste(quem ama sonha ser pra sempre!) faca tao bem depois que passa o sofrimento inicial...rs
Viva os recomecos!!! ;D

29 de fevereiro de 2012 19:32
Daniela disse...

Bela, se vc já achou um luxo tomar café da manhã em Copa rs, imagine fazer um brinde a vida com champanhe e água de coco em um quiosque da praia, num lindo domingo de sol e céu azul???!!! Querida amiga "ex-Gustavo", obrigada pela sua amizade!! É claro que o brinde com champanhe está incluidíssimo na história!!

29 de fevereiro de 2012 21:47
Evelin disse...

Ter amigos e ter um tempo para eles é fundamental. Tem gente que "descobre amigos" e esquece quando encontra o "novo amor"...

Fofo o texto.

Beijos

Evelin

16 de março de 2012 08:12