quinta-feira, 24 de novembro de 2011

Seu Dilema: voto de fidelidade

Olá, meu nome é Ana Paula, moro no Rio de Janeiro e tenho 28 anos. Ainda não fiz 30, né? Mas adoro o blog! Rs! Sou casada há dois anos, amo o meu marido e me sinto amada por ele. Mesmo assim, tenho dúvidas sobre a fidelidade dele. Ele não dá bandeira, raramente sai sozinho, gosta de ficar em casa, mas, não sei, às vezes acho que ele quer viver outras coisas, conhecer outras mulheres. Fico cismada quando percebo que ele fala com uma certa inveja das histórias dos amigos pegadores.

Essas coisas começaram a entrar na minha cabeça no dia do nosso casamento. E foi bem na hora do sim. Quando o padre foi dizendo os votos para ele repetir, o Luiz, meu marido, disse “em sinal da minha amizade” e não “da minha fidelidade”, que é o certo, como o padre falou. Eu percebi foi na hora, mas muita gente nem se ligou. Nenhuma das minhas amigas, a quem eu perguntei depois, falou que percebeu. Mas, ficou a pulga atrás da orelha. Por que ele não me jurou fidelidade no altar? Será que foi só uma troca de palavras? Uma besteira?

O que vocês acham?

Muito obrigada pela ajuda.

Beijinhos,

Ana Paula

5 comentários:

Andarilho disse...

Sinceramente? Eu acho que a Ana Paula está exagerando. Se continuar paranóica assim e começar a infenizar o marido, vai estar é arranjando uma profecia auto-realizável.

24 de novembro de 2011 00:04
Cilo Roberto disse...

Ana Paula,
vamos lá, primeiro acho que mesmo ele estando feliz e satisfeito com o casamento, acho que ele vai desejar sim outras mulheres... dai a te trair é outra história.

Bom se ele não dá bandeira nem nada, começe a relaxar e curtir o casamento, pq se vc deixar a pessa pulga vai virar um elefante e vc não vai pensar em outra coisa... e não terá paz.


bjo

24 de novembro de 2011 09:34
Evelin disse...

Bem, eu não acredito em fidelidade, no entanto, nem por isso fico criando um problema maior. Quer dizer, acredito que é sempre bom ficar atenta aos "sinais", de maneira natural, sem que isso se torne uma ocupação diária. Principalmente, se vocês estão bem um com o outro.

Beijos

Evelin

24 de novembro de 2011 11:41
A. Marcos disse...

Votos são feitos para serem quebrados. Quando se promete algum sentimento ou conduta, se promote que no momento do voto se está querendo levar isso adiante. mas como nem sempre é possível...

Fidelidade então? É tão prescindível, tão vazio, tão sem sentido mais elevado que nem deveria constar de um cerimônia sublime.

Afinal é possível ser fiel a uma causa e até a um inimigo com quem, por motivos casuísticos, se tem interesses convergentes.

Mas amizade...essa sim é sólida e segura. Voto de amizade é muito mais amplo que o da fidelidade.

Gostei da sinceridade de seu marido e isso já deveria ser um mar de tranquilidade em seu espírito.

De resto, nunca conheci alguém que não tenha desejado outras pessoas, outras experiências e outros sabores enquanto estivesse casado. Fosse ele homem ou mulher.

E tb nunca conheci uma pessoa que não tenha sido infiel, ainda que em pensamente, um dia em sua vida. Logo nunca conheci alguém que não tenha sido traído, ainda que em pensamento, um dia em sua vida.

Desencana e viva feliz...

24 de novembro de 2011 11:41
3 x Trinta - Solteira, Casada, Divorciada disse...

Acho que anormal seria não sentir atração por ninguém, afinal somos bichos feitos de hormônios.

Melhor ocupar sua cabecinha com assuntos mais importantes e viver com mais leveza sua relação.

Talvez ele faça estes comentários sobre as aventuras dos amigos justamente para te deixar enciumada e, consequentemente, mais sob controle. Melhor não entrar neste jogo. Ao nao dar importância para estas historinhas, ele provavelmente não vai mais achar graça em contar.

bjos da Solteira

24 de novembro de 2011 13:12