quarta-feira, 22 de dezembro de 2010

O primeiro beijo

Ele me achou no Orkut. E fez minha memória voltar 20 anos atrás. Eu tinha 14 anos e passava as férias na casa dos primos no interior. Ele era o gatinho da rua, arrumadinho, cheiroso, cabelo bem cortado, estudioso. Eu achava que ele era o grande amor da minha vida. A turma da rua sentava na calçada e lá passava as noites quentes. Os assuntos eram as notas da escola, a ansiedade com o ano seguinte e quem estava namorando quem. Eu tomava banho depois da janta e ia para lá, os olhinhos mirando o alto da rua, onde ficava a casa dele. Um domingo, ele me convidou para ir ao shopping. A gente se encontrou no ponto de ônibus e foi lá que aconteceu. De repente, a boca dele estava na minha, com o aparelho de dentes me incomodando um pouco. Lá no shopping, só lembro de termos tomado um sorvete e de ficarmos horas com as bocas grudadas em uma espécie de sacada. Até hoje não sei se ele sabe que foi o primeiro.

No resto das férias, ficávamos pelas esquinas praticando, descobrindo novas sensações, mas tudo muito bem comportado. Mas chegou o dia da partida e nossos coraçõezinhos ficaram super apertados. Lembro que deixei uma pulserinha minha para ele se lembrar de mim. Combinamos que ele me telefonaria na hora da novela das 7 (não existia celular nem internet). Ele me mandava uma carta por semana. Mas não era no meu endereço não, porque eu tinha medo do meu pai descobrir. Elas iam para a casa de uma amiga, com uma espécie de código no envelope significando que eram para mim. Ficamos nesta correspondência apaixonada um ano inteiro. Guardo as cartinhas até hoje. Uma letra bonita, mas sem muito assunto. Nunca mais aconteceu nada entre nós. Anos depois, soube que ele estava casado, acho que até com filhos.

Ainda não trocamos qualquer conversa on line. Mas ver o Orkut dele apenas comigo como amiga me faz imaginar que, no mínimo, esteja passando por algum “balanço” na vida. Espero que ele esteja bem. Só sei que foi ótimo trazer à tona lembranças que há muito tempo estavam lá no fundo do baú.

Patrícia - A Solteira

9 comentários:

Vanessa Marques disse...

Seus textos e histórias são sensacionais, todos com uma sensibilidade incrível. beijo e bom 2011

22 de dezembro de 2010 00:16
Carla disse...

Patrícia,
O primeiro a gente nunca esquece. Lembrar é bom, mas a gente percebe que tudo está tão distante ...


Beijos

E um Natla cheio de luz pra vcs , meninas

22 de dezembro de 2010 00:57
Jeff Prestes disse...

Fico feliz em saber que não sou só eu que guardo cartas e bilhetinhos antigos.

Coisas de arianos??

Beijos.

22 de dezembro de 2010 07:33
Andarilho disse...

Adoro histórias assim, daqueles tempos tão ingênuos. ;)

22 de dezembro de 2010 08:38
O Divã Dellas disse...

Ai que lindo!!!!
O meu primeiro beijo foi em frente a igreja... Na pracinha... Numa viagem de férias também... Com um primo... Tão emocionante... Eu também acreditei que ele era o grande amor da minha vida.
Mas foi apenas um importante amor, um puro e ingênuo amor.
Beijo pra todos e um natal cheio de muito amor.
Cinthya

22 de dezembro de 2010 09:23
O Divã Dellas disse...

Eu era do time de handebol ele era o gato, o mais cobiçado, o capitão do time de futebol. Até então areia demais pro meu caminhãozinho. Até que chegou o recado que ele queria me conhecer, quase morri de alegria, ansiedade e desconfiança, né? (afinal aquele gaaaaaaato, querendo conhecer a mim, logo eu, uma menina tão invisivel) rs
Eu também achei q ele fosse o grande amor da minha vida, aquele beijo nervoso na quadra da escola depois do treino, ele tão cheiroso e eu tão desconcertada. O namoro não vingou, mas a amizade ficou durante uns meses, até o dia que eu comecei a namorar o melhor amigo dele. rsrs
Vc me deu uma ideia, Patricia. Vou procurar no orkut pra ver se o acho. Tive curiosidade de saber como ele está.
Beijos, meninas!

22 de dezembro de 2010 10:18
Carol disse...

Que legalllll, lembrei das minhas férias no interior.

Eu passava o dia inteirinho na rua com os meninos, jogando bola, correndo, e a noite voltava para casa, tomava banho e ia brincar de salada mista. Aí as amigas apertavam o olho quando chegava o menino que eu queria dar um selinho...haha.

Que fofo a história das cartinhas e da pulseira!!

Essas lembranças são tão boas!

Um beijão

22 de dezembro de 2010 10:56
Maitê disse...

Puxa ... é a primeira vez que passo por aqui e ADOREI !!!!

Voltarei mais vezes !!

Parabéns pelo blog !

Beijinhos

22 de dezembro de 2010 21:12
Evelin disse...

Esse é o tipo de história mais comum do que se imagina. E são tão boas de serem lembradas e contadas.

Meu primeiro beijo tb foi nas férias, no interior. Mas ao contrário de vc, não achei que seria meu grande amor. Namoramos a distancia por meses, mas foi só meu primeiro beijo. E qui em off, não gostei do beijo, talvez a razão dele não ser o meu grande amor. rsr

Agora, foi o segundo que me levou nas nuvens. Bom lembrar rs.

Beijos

25 de dezembro de 2010 13:53