sexta-feira, 25 de fevereiro de 2011

Tinha que ser mulher

Domingo passado, a pé, fiquei “ilhada” em um posto de gasolina por causa da chuva. Aproveitei para tomar um café com leite na lanchonete e me sentei do lado de fora para observar o movimento das pessoas fugindo da tempestade. De repente, um estrondo, que não era de trovão, me chamou a atenção. Um carro na calçada do posto foi dar ré e bateu numa pilastra. Imediatamente, um senhor sentado ao lado pergunta para o ar: “É mulher?” Faço de conta que não escuto. Uma moça nervosa sai do carro, nem olha o que aconteceu na traseira do veículo, pede a um rapaz orientação para chegar ao Morumbi e sai às pressas.

Embora as estatísticas mostrem todos os anos que as mulheres se envolvam em menos acidentes e que a grande maioria das ocorrências com feridos e mortes tem homem envolvido, ainda temos que ouvir estas grosserias por aí. Até o seguro para mulher é mais barato. Às vezes me surpreende a necessidade dos homens (nem todos) de nos rebaixarem para se sentirem melhores.

Eu, modéstia à parte, me considero uma boa motorista. Gosto mesmo de dirigir. Amo pegar uma estrada e só ver o sol ao longe e vacas e árvores ao redor por horas. E me divirto quando vou fazer uma baliza, por exemplo, em um lugar bem apertadinho, e percebo os olhares masculinos torcendo para que eu não consiga – acho que para reafirmarem a teoria de que somos ruins no volante e se auto-afirmarem. Respiro, me concentro, calculo tudo, olho nos retrovisores e dou o tiro certeiro. Aí saio orgulhosa e faço de conta que nem reparei na presença deles. Humpf! Sempre que isso acontece me sinto vingando as amigas que ficam nervosas e até fogem das vagas por se sentirem acuadas pelos olhares reprovadores masculinos. E ainda por aquelas que têm medo de dirigir e que, por isso, são excessivamente cuidadosas, o que acaba irritando os apressadinhos causadores de acidentes.

Conheço muitos homens extremamente conscientes no trânsito, que obedecem à sinalização e respeitam pedestres e ciclistas, assim como mulheres que saem atropelando tudo e colecionando multas. Mas, em geral, talvez pelo instinto materno e por não sermos regidas pela testosterona, somos mais cuidadosas. Que vocês homens, portanto, tenham um pouco mais de paciência com quem não encara as vias públicas como pistas de kart. Os pit bulls do trânsito deveriam aliviar seus hormônios fazendo coisas mais prazerosas em vez de nos xingarem em cruzamentos e avenidas. É meu apelo pela paz de todos nós nas ruas.

Patrícia - A Solteira

13 comentários:

Yasmim disse...

Excelente concordo com tudo que disseste, esse excesso de testosterona é dose os torna preconceituosos e mal educados, sem contar na prepotencia de se acharem os melhores.

25 de fevereiro de 2011 00:09
Inaie disse...

eu nao gosto de dirigir. quando a vaga esta apertada, desco do carro, jogo a chave na mao do primeiro engracadinho que esta espaindo e falo: eu ansci pra ter motorista, estaciona pra mim!!!

eles ficams em graca e estacionam. e eu rio. economizo o trabalho e ainda deixo o fulano sem graca.

25 de fevereiro de 2011 07:19
Andarilho disse...

Eu até aprendi a digir, mas faz tanto tempo que devo ter esquecido.

25 de fevereiro de 2011 08:38
Olívia disse...

Ahhhhhh Paty, eu também me sinto assim. Adoooooooro dirigir, me sinto poderosa, rsrsrsrs

Não curto fazer baliza, mas eu faço sem medo. Fiquei super feliz quando coloquei o carro de ré na garagem.

Mas Paty, é um saco mesmo ouvir essas besteiras de homens, a gente fica mal, mas somos mais prudentes!!!

E muiééé que medo daquela chuva hein rsrsrsrs

BJSSSS

Olívia

25 de fevereiro de 2011 08:59
O Divã Dellas disse...

Ai Ai!
A última baliza que fiz foi a do teste do Detran, dezembro passado e foi PERFEITA!
Agora tenho a carteira e só me falta o carro... Mas o carro é um detalhe... Rsrsrs
Beijos,
Cinthya
http://odivaadellas.blogspot.com

25 de fevereiro de 2011 09:23
Evelin disse...

Legal esse post.

Não tinha parado para pensar que ficamos nervosas e não conseguimos pela ansiedade dos homens esperando nosso fracasso. Eles negativam. Interessante.

Evelin

25 de fevereiro de 2011 09:36
Michelle disse...

Ai ai...sou ótima motorista (e modesta...rs) mas fujo de baliza, o que não é nada demais, pois não se encontram vagas na rua mesmo!!!!

Vivo brincando que minha carta é de MOTORISTA e não de MANOBRISTA, por isso não estaciono...rs rs

Ótimo post....beijos

25 de fevereiro de 2011 10:16
Tati M® disse...

Homens fazem barberagens.
Mulheres fazem barberagens.
Seres humanos fazem barberagens.
Pelo fim do preconceito!!!

Só não gosto de fazer manobras porque meu carro não tem direção hidraulica e... haja paciência e força no braço!

Ah, por fim... Que injustiça com os pitbulls! Nossos amigos de 4 patas não merecem ser comparados com esses animais do trânsito.

25 de fevereiro de 2011 11:24
Anônimo disse...

Isso aí, lôra!!!

E pior que homem metidinho no trânsito (pq nem todos são, sejamos justas) são as mulheres que se "orgulham de dirigir como homem". Affe...

Eu não gosto muuuito de dirigir (mas amo meu Tião!!!), tenho dificuldade de dirigir à noite, não faço questão nenhuma de fazer baliza e não me sinto intimidade por homens, mas me aperreio com gente estressadinha.

O mais importante para mim não é "saber dirigir", mas sim tomar cuidado com a vida alheia - principalmente com o pedestre, minha maior causa. Isso sim, para mim, é saber dirigir.

=D

baccios

debx30

25 de fevereiro de 2011 11:57
Albuq disse...

Oi Patrícia!

Meu pai e meu irmão tem essa capacidade de comentar desta forma, mas, também tem bons ouvidos prá ouvir meus desaforos irritadíssimos!

Eu tenho muitas amigas que são exemplos de motoristas e em nenhum momento perdem tempo falando os dinossauros que passam feito loucos provocando catastrofes no trânsito.

Adorei o texto, bjs

25 de fevereiro de 2011 12:35
Ka disse...

Eu fico revoltada quando escuto comentários do tipo de uma mulher! Sim, já cansei de ver mulher fazendo isso ¬¬

Infelizmente, a massa ignorante sai repetindo o "velho ditado"...

Bjos

http://www.cafecommulheres.blogspot.com/

25 de fevereiro de 2011 17:26
Ana Carolina Abrantes Freire disse...

Pat, também adoro dirigir!
Morria de rir com uma amiga que contava que, quando levava, no trânsito, uma buzinada, uma cara feia ou alguma gracinha relacionada ao fato de ser mulher e estar dirigindo, ela abria o maior sorrisão e jogava um leve e despretensioso "SMAC" ao brutamontes! rsrs
Pura falta de noção de quem comete essas grosserias - razão pela qual prefiro ignorar esses indivíduos solenemente. Eles não merecem o meu estresse!
Beijinhos, queridas, e bom fim de semana!

25 de fevereiro de 2011 18:54
Ana Ferreira disse...

Eu dirijo mal, não gosto e sou uma barbeira assumida. E mais sempre digo que herdei o gene da "barberice" do meu pai que também dirige mal, mas a minha mãe e a minha irmã dão show de boleia.

16 de março de 2011 09:37