quinta-feira, 30 de junho de 2011

Seu dilema: filhos, tê-los ou não tê-los?

Tenho 35 anos e uma angústia: não sei mais se quero ter filhos. Casei bem jovem e sempre tive certeza de que teria ao menos dois. Mas aí me separei e o tema deixou de ocupar espaço na minha vida. Até pela decepção e vazio que ficaram após o divórcio. Só que há dois anos eu conheci o Antônio e estamos morando juntos faz uns meses. Ele já tem um filho, mas tem me perguntado se eu não quero. Não é pressão, mas sei que ele quer mais um. O drama é que foi justamente porque comecei a namorar um homem com filho que eu passei a me questionar. Mesmo ficando com ele poucas vezes por semana, Antônio não é mais livre. Não pode, por exemplo, ir morar comigo no exterior, coisa que eu estava planejando fazer em breve. Fico pensando se é isso que quero para mim, esse compromisso eterno. Sei que parece egoísmo. Talvez até seja. Só que não quero ser mãe só por ser, só porque é cobrado isso das mulheres. O problema é, óbvio, o tempo. Já não tenho muito mais. Não dá para ficar pensando tanto.

E agora?

Tereza

18 comentários:

Andarilho disse...

Em tempos como este, não ter filhos é o oposto do egoísmo, é um presente que vc dá a uma humanidade inchada.

Dito isso, melhor não ser mãe do que ser uma que fica pensando 'ah, eu poderia estar fazendo isso ou aquilo se não tivesse a prole'...

30 de junho de 2011 08:50
Sara Lima Saraceno disse...

Ter filhos é um "Estar-se preso por vontade", ou seja, essa "perda" da liberdade total não é lá uma grande sacrifício não, pois ter filhos também tem seu lado gratificante e maravilhoso... a pergunta é: Vc tem essa vontade???

Se tiver, se jogue, não por pressão da sociedade, mas por um desejo seu!
Se não tiver, querida, concordo com o comentário acima... não se trata de egoísmo, mas de tentar ser feliz seguindo o seu coração!!

Bjos e boa sorte!

30 de junho de 2011 11:59
Anônimo disse...

Vivo esse dilema também!!! E o pior é que o meu marido não entende e nem aceita e diz que foi enganado pois quando eu casei com ele ter filhos estava nos planos. Mas eu tinha 22 anos...hoje tudo mudou, minha cabeça mudu, meus sonhos mudaram, os desejos mudaram e não tenho vontade de perder minha liberdade, meu soninho tranquilo e minha paz. Eu imagino que ter filhos seja uma delícia. Que segurar nos braços um filho seja um presente, que não deve haver abraço mais gostoso que abraço de filho...mas...não sei o que fazer ...

30 de junho de 2011 12:32
Patricia Digue disse...

Acho simplesmente muito corajosas as mulheres que admitem não querer, mesmo com toda a pressão da sociedade para que todas nós, sem exceção, assumamos a função bíblica de crescermos e multiplicarmos.

Bjs da Solteira

30 de junho de 2011 13:04
Tati disse...

Eu nunca quiz ter tbém, meu docinho de 13 anos, apareceu por acidente. Eu tenho 30, ela 13, estou com meu marido a 18 anos e todos T-O-D-O-S sabem que eu não quero mais nenhum. Mas é bem resolvido isto na minha cabeça.

Filho não prende, não priva, não preenche. Apague tudo o que te trava.

Apenas responda: quero? ou não quero?

Só vejo 2 problemas, seu plano de morar no exterior e seu conflito com o marido (ele quer x vc não quer)

Acho que compliquei mais! =]

30 de junho de 2011 13:38
Evelin disse...

Não posso ajudar, pois também preciso de ajuda, não sei se quero ter filhos, mesmo com apenas 24 anos de idade.

Evelin

30 de junho de 2011 14:49
Cilo Roberto disse...

Fico com a opinião da tati: "quero? ou não?" e ponto final....

acho que temos que nos libertar da obrigação de "crescer e multiplicar", eu mesmo HJ não quero ter filhos, e adoro criança... amo meus sobrinhos.... viro criança junto... MAS não quero ter um filho... e falo isso sem culpa alguma, sem me achar egoista.

bom é isso.

bjos

30 de junho de 2011 14:55
Anônimo disse...

É difícil querer ter filhos em tempos como hj no mundo em que vivemos... Compreendo isso perfeitamente...

30 de junho de 2011 16:04
silpinheiro disse...

Apesar de está vivendo uma época dificil no meu casamento (estou querendo o divórcio) sei que quero ter um filho, mas não agora o problema é que acabo de fazer trinta anos, então acho que sou vou ter vontade lá para os quarenta anos. Mas tbm acho que é uma questão de vontade, a maoria das pessoas que têem filhos sempre quiseram muito. Não tenha filho para agradar.

30 de junho de 2011 18:03
Anônimo disse...

Eu não vejo motivos pra vc se culpar ao deparar com a dúvida. Eu sei que em famílias tradicionais a pressão é muito maior e blá blá blá... agradeço pela minha mãe desejar um neto imensamente por tanto amor que tem pra dar, ainda mais agora separada de meu pai. Acho esse sentimento lindo. Mas EU ainda não estou decidida. Sim, eu quero. Mas tb estou fazendo 35.. mas, mas... tenho uma série de questões que ainda me prendem. Engraçado que amigos/vizinhos muito próximos se adiantaram e até os bem mais novos do que eu já estão com filhos ou grávidas. E eu tenho que me segurar pra responder os questionamentos do "tá passando da hora". Ora bolas, se eu disser que a imposição da sociedade não mexe comigo é mentira. Mas eu ainda quero isso ou aquilo, e posso, não preciso ficar me justificando. Com tudo isso eu aprendi e nunca mais perguntei, nem na melhor das intenções, pra ninguém quando teria filhos, ou porque ainda não. Que coisa chata.

Em contrapartida, se te serve de consolo, tenho muitas amigas decididas a não serem mães. A maioria por motivo de desejos pessoais maiores como morar fora e dedicação à carreira. E são mulheres de família, as pessoas precisam respeitar as nossas decisões. Adoro estar com elas, me sinto livre.

30 de junho de 2011 18:03
Rosane Cristina disse...

Nossa, acho que a Tereza escreveu a minha história...rs. Acabo de fazer 35 e me pergunto se quero ou não ter filhos. No fundo sempre existe uma vontade, mas quando paro pra pensar, desisto ao ver o quanto perderia da minha liberdade. Após minha separação, tinha dado por encerrado esse assunto de filho. Mas, há algum tempo também conheci um Antonio e esse veio com 3 filhos...aí penso, filho pra quê, tá de bom tamanho os dele. Mas, ele diz que não são os nossos, que em algum momento sabe que vou ter algum arrependimento de não ter os meus. Acho que as pessoas se incomodam mais com o fato de nós mulheres, que conquistamos algumas coisas na vida, não tenhamos filhos do que nós mesmas. Mas, o argumento dele me faz pensar em alguns momentos também. Tenho medo de um dia sentir falta dessa experiência de amor incondicional, de que mais nada é tão importante na sua vida, de ficar boba e babona como minhas amigas. Porque pode ter todas as responsabilidades, mas o que conta no final mesmo é o sentimento. E aí é que entra minha dúvida também. Mas, qual a garantia de que é a decisão certa a ser tomada?! Oh dúvida cruel!!! Que droga de tempo que passa rápido!!!

30 de junho de 2011 20:28
carolina disse...

Sempre tive essa dúvida. Sempre questionei esse amor incondicional das mães. Nunca tive esse instinto maternal que tanto via nas amigas. Medo de perder independencia e liberdade. Engravidei, e parece que caiu uma bomba na minha vida. O casamento desmoronou, uma gravidez dificil, sozinha. Meu bebe nasceu ha dois meses, e hoje me vejo tao apaixonada por esse ser, descobrindo o real significado da palavra amar, que nao me imagino passar por essa vida sem esse sentimento tao intenso.

5 de julho de 2011 15:52
Anônimo disse...

Nossa, achei que só eu passava por essa dúvida. Parece tão óbvio ter ou não... Tenho 33 anos e realmente não sei. Penso mais em não, mas penso que posso me arrepender e não poder voltar atrás. De qq modo, sei que não posso ficar adiando isso e isso me angustia mais...

14 de março de 2012 17:46
Anônimo disse...

Tenho 37 anos e estou casada há 2 e ainda não tenho essa questão resolvida em minha cabeça... Meu marido quer mas não me pressiona, ele pelo contrário me dixa muito à vontade e diz que vai apoiar a decisão que eu tomar de ter ou não.
Fico preocupada com a minha idade, tenho medo do parto, sofro só de pensar na hora do parto, sofro de pensar que não vou mais acordar tarde... E se eu me arrepender???
Fico olhando minhas amigas que tem uma vocação para serem mãe, desjam isso de tal forma que parece que não há nada melhor na vida de uma mulher do que ser mãe. Me sinto egoísta por não sentir a mesma coisa... Queria ter mais tempo! E para completar tanto na minha família quanto na família do do meu marido ainda não tem criança.
Logo agora que passamos no concurso publico, queria fazer tanta coisa e tenho a sensação que o filho vai me privar disso: Viajar, comprar coisas pra mim, dormir até mais tarde...
No momento tenho mais contra do que a favor, mas o meu relógio biológico não para!

10 de julho de 2013 16:01
Anônimo disse...

Estou aqui porque vivo o mesmo dilema. Tenho 38anos vivo com minha companheira há 10 anos, em 2007 pensamos em fazer fertilização. Eu desisti e sempre me pergunto se vou me arrepender a decisão e minha, mais porque não consigo ter a certeza de ter filhos ou não. Penso alguns anos a frente será que vou me arrepender? ou se tê-lo posso me arrepender também. Vejo que não estou sozinha.
Na empresa que trabalho a mulherada fala que ser mãe é único que eu devo ter, e quando ele nascer, todas as duvidas não existira mais pois o amor e maior. Não sei o que fazer.

16 de outubro de 2013 22:15
Anônimo disse...

Tenho 36 anos, meu marido tem 31, casamos a um mês, e estamos com esse dilema, sempre que eu digo pra alguém que não quero ter filhos é como se eu fosse alguém de fora do planeta... A verdade é que eu não sei se quero, as vezes acordo com a ctz de que quero, logo depois já penso diferente, também fico com medo de estar sendo egoísta, mas aos 36 anos de idade eu sinceramente não sei se dou conta de noites sem dormir para todo o sempre, sei que tem o lado bom, vejo as pessoas com filhos e esse amor doido que sentem por eles, mas lá no fundo do meu coração, não sinto esse desejo, penso em como seria e tal.. Mas tenho muito medo de ter um filho com o mundo como está.. Ter uma filho é jogar na loteria, não tem como saber o que ele vai ser... Por mais q eu pense ainda tenho medo de um dia ele se tornar alguém ruim... Isso me apavora

21 de maio de 2014 14:27
Anônimo disse...

Eu tenho esse mesmo dilema... Tenho 31 anos, meu marido 39. Somos casados há 9 anos e é engraçado pois sempre conversamos sobre filhos, tínhamos até nome escolhido. Mas aí o tempo foi passando e parece que a vontade tb. É estranho porque eu não vejo nossa vida com filhos e nem sem. E não sei o que fazer... Acho q em algum momento teremos q decidir e será algo bem racional, pq ambos não acreditamos nesse "romantismo" todo que se vê sobre a maternidade (ja fui bastante criticada por isso aliás)... Enfim, acho que ainda precisamos pensar mais e eu ainda tenho tempo...

10 de junho de 2014 23:40
Unkown disse...

Eu li histórias muito parecidas com a minha. Tenho 36 anos e meu marido 45. Ele tem uma filha de 11 e um filho de 20. A menina é um amor. Já o rapaz é um perdido na vida. Eu não consigo decidir se quero... As vezes penso que quero engravidar acidentalmente assim não terei que decidir. Vou ter que ter! Meu marido gostaria de ter outro e me apóia caso eu queira e caso não. Temos planos de viajar, morar em outros lugares e penso que se eu tiver filho, minha liberdade estará comprometida por pelos menos uns 20 anos considerando que nesta idade o filho já estará caminhando com suas próprias pernas. Mas isto não é garantido... Tb não sei se terei energia para acordar cedo para levar na escola, cozinhar e cuidar todo dia... Mas... E se lá na gente eu me arrepender? Já passei por muitas dores nesta vida e não quero causar outra a mim mesma. Creio que Deus está cuidando deste assunto por mim.

26 de setembro de 2014 06:57