sexta-feira, 23 de janeiro de 2009

Mulheres que amamos amar: Chiquinha Gonzaga


O Mulheres que Amamos Amar de hoje foi escrito pela nossa leitora e blogueira Paula Dultra. Paula tem 28 anos, é publicitária e mora em Salvador, Bahia. Nas horas vagas, ela arrasa com o blog Mulherzinha, que a gente super recomenda.

Com vocês, Paula e Chiquinha.

Beijos,

A Divorciada


Nos dias de hoje, como seria uma mulher considerada “à frente do seu tempo”? Sinceramente, não sei dizer. Só sei que acho incrivelmente interessante saber mais sobre aquelas mulheres que eram consideradas assim numa época totalmente adversa. No início do século então, esse tipo de coisa era considerada impossível. Dá para imaginar o que é quebrar regras, padrões, costumes... Quando praticamente NINGUÉM fazia isso?

Um dia, por acaso, me chegou às mãos o livro de Dalva Lazaroni Sofri, Chorei e tive muito amor! (Ed. Nova Fronteira), sobre Chiquinha Gonzaga. Depois de ter visto a minissérie da Globo, resolvi me aprofundar na vida dessa mulher incrível. Não conhece? COM CERTEZA você já cantarolou ou ouviu alguém cantarolar a marchinha de carnaval “Oh, Abre Alas que eu quero passar / Oh, abre alas que eu quero passar / Eu sou da lira, não posso negar / Rosa de Ouro é quem vai ganhar...”

Hoje, eu acho que não vai existir outra mulher igual à Francisca Edwiges Neves Gonzaga, ou Chiquinha Gonzaga (Rio de Janeiro, 17 de outubro de 1847 — Rio de Janeiro, 28 de fevereiro de 1935). Vou explicar aqui o motivo desta afirmação: ela foi uma compositora, pianista brasileira e pioneira em muitas coisas - a primeira pianista de choro, autora da primeira marcha carnavalesca (Ô Abre Alas, 1899) e também a primeira mulher a reger uma orquestra no Brasil. Fora isso, ela brigou com todos e contra tudo para encontrar sua felicidade.

Apesar de ser filha de mãe mulata, Chiquinha foi criada numa família tradicional e aristocrática. Só que desde cedo, demonstrava sua predileção pela ala dos escravos: frequentava rodas de lundu, umbigada e outras músicas populares típicas do povo negro.

Aos 16 anos, foi obrigada a se casar com o oficial da marinha, Jacinto do Amaral, e teve dois filhos com ele. Alguns anos depois, por não suportar as imposições do marido e a ordem de se afastar da música, Chiquinha fez o que era inadmissível para as mulheres da época: separou-se. Rompeu relações com a família e saiu de casa, levando seu filho mais velho.

Em 1867, envolveu-se com o engenheiro João Batista e teve uma filha. Outra vez, rompeu padrões ao viver com um homem que não era seu marido. Mesmo assim, continuou se impondo e dando exemplo do que é ser uma mulher de fibra: Por não aceitar as aventuras extraconjugais de João Batista, separarou-se mais uma vez.

Sozinha, arregaçou as mangas e foi trabalhar – outra coisa rara nas mulheres da época. Passou a viver como musicista independente, tocando piano em lojas de instrumentos musicais e dando aulas de piano. Musicista de grande sucesso, tornando-se também compositora de polcas, valsas, tangos, cançonetas, operetas para teatro, entre outros. A necessidade de adaptar o som do piano ao gosto popular valeu a Chiquinha Gonzaga o título de primeira compositora popular do Brasil.

Mas ela não parava de escandalizar: andava com um grupo de homens – músicos de choro - usava calças compridas e fumava charutos. Ela participou ainda, ativamente, da campanha abolicionista e da campanha republicana, sendo fundadora da Sociedade Brasileira de Autores Teatrais. Ao todo, compôs músicas para 77 peças teatrais, tendo sido autora de cerca de duas mil composições em gêneros variados.

Nesse meio tempo, ela passou por muitas humilhações, foi discriminada, traída, sofreu, mas não teve medo. Venceu e ficou conhecida no mundo, principalmente em Portugal.

Nada para Chiquinha foi fácil. No auge do seu sucesso, ela apaixonou-se mais uma vez. João Batista Fernandes Lage, na época, tinha 16 anos e ela, 52. Para evitar o escândalo, adotou-o como filho para viver esse grande amor. Foi ao lado dele que Chiquinha morreu, em 1935.

Contei essa história para apresentar uma mulher que eu amo amar. Depois de conhecê-la um pouco, olhe para sua vida e responda: você tem medo de quê?



Paula Dultra (A Solteira que admira mulheres à frente de seu tempo)



7 comentários:

3 x Trinta - Solteira, Casada, Divorciada disse...

Oi Paula,

Seja bem-vinda, viu? Obrigada pelo texto, adorei.

Lerei o livro sobre a Chiquinha o quanto antes.

Beijão,

A Divorciada

23 de janeiro de 2009 03:17
Paula disse...

Oláaaaaaaa!
É uma honra colaborar com um blog de mulheres bem resolvidas como vocês! Muito obrigado por tudo!!
:)

23 de janeiro de 2009 14:30
3 x Trinta - Solteira, Casada, Divorciada disse...

Paula, que lindo!!!

Demorei, mas li. E amei.

E digo mais: deu muito mais vontade de ler a biografia dela lendo seu post que vendo a minissérie (é que eu não gosto da Regina Duarte, hehehe).

E mais que o texto, muito bacana sua reflexão final: se ela fez tudo o que fez há mais de cem anos, do que podemos ter medo?

E o grande barato é que ela só viveu de acordo com a verdade dela. Nem mais, nem menos. Parece simples né?

Muito obrigada pela sua colaboração! Vou lá comprar o livro agora, haha.

beijos

23 de janeiro de 2009 19:23
3 x Trinta - Solteira, Casada, Divorciada disse...

Bah, esqueci de assinar aí acima.

A Casada!

23 de janeiro de 2009 19:24
3 x Trinta - Solteira, Casada, Divorciada disse...

Oi Paula,
que bacana saber que você curte estas três birutas aqui :O)

E que mais bacana ainda é saber que o que a gente escreve você curte, te faz pensar, imaginar, rir... Valeu mesmo pela participação e inspiração. Sim, porque você me lembra a Bahia, onde já morei.. Olha só que inspirador?

beijo carinhoso,

A Solteira

23 de janeiro de 2009 21:54
cleidy disse...

Assisti recentemente a minisérie sobre Chiquinha Gonzaga pois já havia ficado sabendo sobre essa corajosa mulher.Uma mulher que viveu adiante de seu tempo e aceitou amar um homem 36 anos mais jovem e que foi o seu grande amor.Também amei alguém muito mais jovem do que eu e foi o grande amor da minha vida, mas infelizmente ele não foi tão corajoso como eu...Grande abraço à todas as corajosas mulheres deste país!!!!!!!!

28 de janeiro de 2009 15:12
日月神教-任我行 disse...

ssd固態硬碟 外接式硬碟 餐飲設備 製冰機 洗碗機 咖啡機 冷凍冷藏冰箱 蒸烤箱 External Storage Solid State Drives 關島機加酒 關島婚禮 關島蜜月 花蓮民宿 彈簧床 床墊 獨立筒床墊 乳膠床墊 床墊工廠 巴里島旅遊 巴里島spa推薦 巴里島機票 巴里島行程推薦 記憶體 情趣用品 情趣用品USB Flash DrivesMemory Cards 產後護理之家 月子中心 坐月子中心 坐月子 月子餐 投資美國物業 美國租金報酬 美國房屋買賣 房地產投資說明會 美國房地產 美國置產須知 美國房屋物件 SD記憶卡 隨身碟 高雄當舖 高雄汽車借款 高雄機車借款 高雄房屋二胎貸款 高雄汽機車免留車

17 de junho de 2015 20:46