terça-feira, 25 de novembro de 2008

Traída pelo traíra

Começou como uma amizade. Mas a intenção, desde o começo, era que ela fosse bem colorida. E foi exatamente o que aconteceu com aqueles dois. O romance não se cansava de novos cenários. Viam-se entre idas e vindas, pois os amigos coloridos viviam em cidades diferentes. A história era leve e divertida. Com uma pontinha de expectativa sempre à espreita... Quem sabe a coisa não engrena e vira caso sério? Mas será que é isso que se quer?! Ou melhor deixar como está? Questionamentos à parte, a história seguia seu caminho sem compromisso, só com o hoje e o agora. Cada passo pensado de cada vez.

Mas o rapaz revelou-se uma criatura complicada. História pregressa cheia de percalços. Não estava preparado para embarcar naquele vôo. Fechado para balanço, abriu o jogo a respeito. O problema é que a partner já tinha comprado o bilhete de viagem. Boba! Deveria ter perguntado antes. Mas já tinha apostado algumas fichas. O colorido tava tão bonito. Hoje, olhando para trás, ela vê que foi melhor como tudo se encaminhou depois. O cara era um Atlas de problemas complexos demais dentro da própria cabeça.

Os momentos de cada um eram descompassados. Porém, em comum, tinham admiração, respeito e tesão - porque não? - um pelo outro. Até o dia que o rapaz não soube medir o próprio passo e quebrou o encanto.

Numa amizade colorida, traição não existe. Basta não transformar em pó esse tal encanto. E saber escolher a outra. Sim, porque as mulheres se comparam e detestam saber que, mesmo por um único segundo, alguém menos em tudo ocupou o primeiro lugar. Ainda mais quando é menos em idade também... :-/

Se o passo mal dado acontece num círculo restrito, para desconfiar não custa nada. Para descobrir a verdade muito menos. E foi o que aconteceu. A amizade colorida desbotou em dois segundos, o chão sumiu. Mesmo sendo apenas, a-pe-nas, uma amizade colorida. E daí. Ela gostou do cara mesmo. Ele, quem sabe, também dela.

Não teve raiva, ódio nem chororô. Quando o chão reapareceu debaixo dos pés, a decisão foi simples e fria: "não vou ficar sabendo disso sozinha". Celular sacado do bolso, número do fofo discado. Ponto fraco do rapaz identificado: detestava que soubessem da vida dele.

Ele: "Tudo bem?"

Ela: "Mais ou menos. Fiquei sabendo de uma coisa muito chata. Que você passou a noite com a Fulana. E sabe como eu fiquei sabendo? Ouvi, sem querer, uma conversinha cheia de risinhos sobre você e ela. Como você foi ficar com uma menina que só queria te exibir para os outros? Juro, você é livre pra fazer o que bem entender. Não queria mesmo ter tomado conhecimento sobre esta história, muito menos deste jeito."

Ele (esbaforido, desesperado, apavorado): "O QUÊ?!?!? MA-MA-MAS QUEM É ESSA MENINA? DE QUEM VOCÊ OUVIU ISSO? É MENTIRA! É MENTIRA! É MENTIRA! É MENTIRA! NUNCA FALEI COM ESSA GAROTA. É MENTIRAAAA!"

Ela (começando a gostar da história): "Sinceramente, não me interessa. A gente não tem nada mesmo. Só que, não dá para negar, que eu odiei saber disso. E mais ainda: desta forma patética. Achei, de verdade, que você soubesse conduzir este tipo de coisa de outra maneira. Detestei saber. Saber o que sempre deve ter acontecido desde que a gente se conheceu. Mas não é da minha conta. Assim como o contrário. Só que de mim, esse tipo de coisa você nunca vai saber. Muito menos deste jeito. E é aí que reside a nossa diferença. É isso que faz a gente não ter mesmo nada a ver."

O resto da história foi uma gritaria (dele) só. Ela tava nervosa. Não imaginou tal reação naquela proporção nuclear. A ligação foi um tudo ou nada. Havia a total liberdade dele dizer que "sim e daí?" Essa resposta aniquilaria o moral dela. Só que ele não sabia disso. No risk, no fun. O cara perdeu o chão e a glória foi só dela, mesmo sentada na escadaria dos fundos do prédio. Ligação encerrada, ela teve um ataque de riso. Daqueles que o ar falta, a voz some e a cara fica roxa. A sensação de ter saído por cima foi indescritível. Mas a dúvida ainda pairava no ar.

Duas semanas depois, um mail dele querendo saber como ela tava e quando iria visitá-lo de novo chegou a provocar saudade dos bons tempos da amizade colorida. Mas ela já tinha comprado o bilhete para outra viagem. Consigo mesma e para a Europa.

"Desculpa, mas viajo semana que vem. Aquele mochilão que te falei. Um mês rodando pela Europa, com celular em casa e dentro da gaveta. Não vai dar para a gente se ver agora. Quem sabe vou aí a trabalho na volta e a gente tenta se encontrar. Sorry, babe. Beijo."

A Solteira

3 comentários:

3 x Trinta - Solteira, Casada, Divorciada disse...

Amiga Solteira,

Essas amizades coloridas são ótimas, mas nem sempre são simples...Identificação total.

Beijos,

A Divorciada

25 de novembro de 2008 23:03
Dani Felix disse...

Oi Tritonas!!!
Se era pra ser um conto, falou de mim, mas com um final diferente!!! ahahahahah
Jamais conseguiria suplantar a tristeza e dar a volta por cima com tamanha classe.
Vale a dica.
Como disse a Divorciada, e com muita propriedade, nem sempre é tudo tão simples assim... Não se se é da natureza a busca por relações complexas, mas todas as minhas experiências foram terríveis.
Prefiro a saída com o mochilão!
Beijos,
Uma Trintona e 1/2 Solteiríssima...

PS. Blog fantástico! Amei!

26 de novembro de 2008 00:29
日月神教-任我行 disse...

ssd固態硬碟 外接式硬碟 餐飲設備 製冰機 洗碗機 咖啡機 冷凍冷藏冰箱 蒸烤箱 External Storage Solid State Drives 關島機加酒 關島婚禮 關島蜜月 花蓮民宿 彈簧床 床墊 獨立筒床墊 乳膠床墊 床墊工廠 巴里島旅遊 巴里島spa推薦 巴里島機票 巴里島行程推薦 記憶體 情趣用品 情趣用品USB Flash DrivesMemory Cards 產後護理之家 月子中心 坐月子中心 坐月子 月子餐 投資美國物業 美國租金報酬 美國房屋買賣 房地產投資說明會 美國房地產 美國置產須知 美國房屋物件 SD記憶卡 隨身碟 高雄當舖 高雄汽車借款 高雄機車借款 高雄房屋二胎貸款 高雄汽機車免留車

18 de junho de 2015 06:36