sexta-feira, 21 de novembro de 2008

Vicky ou Cristina?

Fiquei tão intrigada com o comentário do post da minha amiga Divorciada, A festa do meu divórcio, que aproveitei o feriadão e fui lá conferir o novo filme almodovariano de Woody Allen. Vicky Cristina Barcelona é ótimo, bem-humorado, uma delícia. E me fez pensar muito no contraponto que as duas personagens fazem. Uma é rígida e controladora demais. A outra é 100% easygoing, cuca fresca, quase maluquete. Uma aposta todas as fichas no relacionamento sólido, firme, promissor, com o coxinha master (ou o foRfo) que certamente lhe asseguraria a vida dos sonhos, cheia de filhos, casa grande, TV japonesa de última geração. A outra vive o que vier. Sempre em busca de alguma coisa que ela não sabe bem o que é. Aliás, ela só sabe o que ela não quer. Só que a vida traz surpresas. E enquanto Vicky não sabe bem o que fazer disso, Cristina experimenta, acreditando na sua eterna busca.

Fiquei pensando no que a Divorciada disse, que ela seria uma se tivesse continuado seu casamento e que agora ela é a outra. Matutei, matutei e cheguei à conclusão de o ideal seria ser um pouco das duas. Afinal, a rigidez de Vicky e seu medo de sair da zona de conforto é de dar agonia até mesmo num ser casado e que gosta da zona de conforto como eu. Por outro lado, a busca de Cristina é angustiante. Eu entendo perfeitamente os medos e receios da casada Vicky - não é fácil mesmo lidar com esses conflitos. Como assim aparecer um Javier Bardem em sua melhor forma na véspera do casamento? Isso é de desestabilizar qualquer uma! E entendo também a gana de viver tudo o que pintar pela frente que Cristina tem.

Será que existe esse ponto de equilíbrio entre duas personalidades tão distintas? O filme fala de amor, paixão, romance. Mas acho possível fazer um paralelo com os outros aspectos da vida.

Uma coisa eu sei: Maria Elena é que eu não sou! haha

Aliás, palmas para a atuação de Penélope Cruz. Arrasou.

Ops, contei o filme? Contei nada! Woody Allen é sempre surpreendente. Isso aí é um resumo tontinho de blog. Vale muito a pena ver.

Ah, sim, e foi um prazer rever a cidade onde passei três meses em 2003. Barcelona continua um espetáculo.

A Casada

4 comentários:

3 x Trinta - Solteira, Casada, Divorciada disse...

Amiga Casada,

O filme não é o máximo? Amei a trilha e a fotografia tb. Gostei do seu contraponto, mas, depois de acreditar piamente, por tanto tempo, que eu podia planejar a vida, concluo que não me resta outra opção que não ser Cristina. E curtir o que vier, sabendo o que eu não quero para mim. Aliás, onde está o Javier Bardem???? Hahaha!!! Vai ser gostoso assim lá em casa, né?

Beijos,

A Divorciada

21 de novembro de 2008 10:29
Vera Helena disse...

Quero muito assistir ao filme!!!
Mudando de assunto, adoro este blog. Sempre entro aqui em busca de mais posts.

Abraços de uma casada que se identifica também com a solteira e a divorciada (até rimou!)

22 de novembro de 2008 14:39
Vitor Gomes disse...

Olá meninas,

meu nome é Vitor, sou editor da Revista WAVE. Estou escrevendo pois fiquei fascinado pelo seu blog, achei a proposta dele incrível.

Tive uma idéia e gostaria de conversar melhor com vocês sobre ela. Que tal publicarmos seu blog?

Bom, gostaria de entrar em contato com vocês, meu email é vitorcg@gmail.com

Desde já agradeço.

Atenciosamente

VItor Gomes
vitorcg@gmail.com

23 de novembro de 2008 00:24
Nivaldo Neto disse...

Pois é! No final quem estava certo era meu amigo homem Bardem! Falta o sal.
Vicky é o sal da Cristina e vice-versa.
Seria incrível juntar essas duas cabeças e criar uma ruiva espetacular que soubesse viver! porém o segredo alquímico do equilíbrio não é tão simples como acrescentar mais uma pitada de sal, então, amiga casada (aliás amei o post!)acho que devemos escolher um lado dessa moeda,e eu, pensando bem, sou mais é Maria Elena!

3 de dezembro de 2008 12:58