quarta-feira, 18 de março de 2009

Sexo e trabalho - na visão das 3X30


People!

Esse texto nós fizemos a pedido do programa Urbano. Demoramos a postar, mas ei-lo aqui. E se você ainda não viu o trio no programa do Multishow, aí vai o link mais uma vez: clique aqui.

Há quem una os dois por comodismo. Outros porque encontraram alguém excitante o suficiente e sentado na baia ao lado. Sei lá, gosto da máxima “onde se ganha o pão não se come a carne”. Porém não sejamos xiitas, cada um com suas aspirações sexuais, algumas ao alcance da mão literalmente. Só que pensar em interações de sexo e trabalho sempre me lembram coisas como happy hours em baladas cheias de secretárias sedentas por um peguete, get togheters da empresa S/A com pessoas não necessariamente a ver com você, onde cada papo sobre última aquisição em impressoras é interrompido pela passagem frenética de uma bandeja de canapés – todos de pão de forma cortado em círculo, com uma pasta que contém traços de maionese e queijo.

E por ali circulam as pessoas que vestem a camisa da empresa, de corpo, alma, mente e coração! Há o cúmulo da camisa de algodão, tamanho G, que nasceu para pijama, geralmente de produto ou evento da fiRma. Ao invés do fundo da gaveta como destino, é ostentada com orgulho no horário comercial, e no churrasco com os amigos só para tirar onda de quem não faz parte da fiRma. Fazem questão de não perder nada, nem que seja um piquenique em pleno Tietê. Adoram ganhar panetone no Natal e falam mal de quem tem vida fora da “bolha”. Nada corta mais o tesão do que mentalidade de fiRma, papo de fiRma, meu mundo é a fiRma. Prefiro os excêntricos. Que ficam cinco minutos e adotam o Leão da Montanha como escape de obrigações sociais exageradas... da fiRma, claro! E prefiro ainda mais os que estão longe, com outras experiências, vivências e algo a acrescentar maior do que quatro paredes de escritório de universo.

Quando o assunto é sexo, saída pela direita já!

Giovana - A Solteira

É aquela velha história: não sendo para conseguir algum cargo ou para subir na empresa, que mal tem? Guardo com carinho algumas boas histórias de pegação no ambiente de trabalho. Teve aquele repórter bonitão dos tempos de estágio por quem eu fui apaixonada. Nosso ponto de encontro era a escada de incêndio do jornal. Ele era casado. E a mulher dele trabalhava lá, para ajudar a piorar. Mas aquela pegação tensa – alguém podia nos flagrar - entre um andar e outro só fazia o trabalho ficar mais prazeroso. Teve também aquele fotógrafo que papava todas. Eu não escapei. E sair da redação para ir para um motel na Raposo Tavares em pleno expediente também não fez de mim uma profissional pior.

E, para terminar, foi também no trabalho que eu conheci um dos homens mais incríveis da minha vida. E com ele estou casada. Nos conhecemos dividindo baia. Ele namorava. Eu namorava. Eu achava que aquele sentimento era só uma grande admiração por aquele cara quietinho, discreto e misterioso. Mas eu não largava dele. Ficava toda hora indo lá, pedindo para ele ler meus textos. Sentava na mesa dele e ficava balançando as perninhas, esperando a aprovação. Quando ficamos juntos para valer, nem trabalhávamos mais juntos. Mas eu tenho muito a agradecer ao trabalho, não é mesmo?

Débora - A Casada


Em tese, é melhor manter distância. Por acreditar nisso, há até bem pouco tempo, eu sempre fugi das tentações da baia mais próxima. Acontece que, no mundo real, paixão não conhece tempo e lugar. Ainda bem. Se não fosse assim, eu não teria descoberto o quão sedutor pode ser um jornalista que trabalha em redação. Daqueles que vão para a rua enfrentar o mundo nos próximos cinco minutos se for preciso. Puro charme. Sem falar no quanto é bom poder olhar para o lado, no meio da tarde, e ver o rosto de quem você queria ver naquele momento. Ali, numa baia bem próxima.

Misturar sexo e trabalho seria a fórmula para viver num mar de rosas? Não mesmo. Aqui e acolá, os dilemas da firma podem parar no seu telefone e até na sua sala, em pleno sábado à noite. Hora de respirar fundo e deixar que a urucubaca vá embora. Uma hora vai. Que tudo vale a pena se a alma não é pequena, afinal de contas.

Isabela - A Divorciada

10 comentários:

mulherpolvo disse...

Concordo mais com a Bela, e cada caso é um caso, cada profissão...
Na minha de funcionária pública vejo pessoas que se conheceram e acabaram se casando.
Na de cozinheira também é bastante fácil, mas eu nunca nunca peguei ninguém, nem cozinhando, nem no hospital, infelizmente...rsrsr

18 de março de 2009 20:27
3 x Trinta - Solteira, Casada, Divorciada disse...

Dé, a foto é um clássico do secretariado saliente. (rolando de rir).

beijos,

Gio, la solteritcha

18 de março de 2009 23:59
Eu Me Abro disse...

Adorei, chicas! E concordo com a divorciada: "paixão não conhece tempo e lugar". Se bem que comigo ainda não aconteceu nenhuma aventura no ambiente de trabalho (mas que deve ser interessante, deve)! hehehe

19 de março de 2009 00:51
Keyllita disse...

Ai, ai, ai... É tudo tao apaixonantemente complicado! Apesar de ter namorado e ser apaixonadinha por ele, tenho um companheiro de trabalho que nao consigo olhar nos olhos ( suuuuuper azuis!)e me dá coisinha quando ele passa. É mais brincadeira que sério, mas confesso, se rolasse algo mais, acabaria a graça.

Beijos para vcx!

19 de março de 2009 05:03
Cynthia disse...

Como secretária, me senti meio ofendida com um trecho do post, porém é um clichê, o qual (talvez)só o tempo apague.

Entretanto, não estou aqui para defender a profissão, apesar de literalmente vestir a camisa e, sim comentar o post.

Concordo que sexo no trabalho é válido desde que não seja para alavancar a carreira. O friozinho na barriga e a necessidade, muitas vezes, de segredo tornam a relação mais empolgante.

Beijos,

19 de março de 2009 09:34
Nova Divorciada disse...

Eu fiz o caminho contrário de muitas. Casei, fiquei sócia de meu marido e trabalhamos juntos por 6 anos até o casamento se desgastar, porque é insuportável você passar 24 horas com a mesma pessoa. É difícil manter a sanidade mental e sexual dessa maneira. Meu casamento acabou, mas continuamos sendo sócios. Foi a única coisa que deu certo entre a gente. Adorei o blog, meninas.

19 de março de 2009 11:02
Camille Mollona disse...

Já tive colegas de trabalho q namoravam e o clima quando brigavam ficava bem pesado...acho q nao sabemos separar o pessoal do profissional. Quando aparecia um problema no setor da namorada do colega do meu setor ficava chato de conversar porque ele sempre ia para o lado pessoal. Por isso sou um pouquinho contra.


Mais se aparecer um medico gatao aqui do hospital e querer namorar....não vou pensar 2 vezes...hehehehe

Acho q estou um pouco confusa quanto este assunto...vamos ver se no de amanha tenho um comentario mais conclusivo...hehehe

Bjao e o find ta quase ai!!!!

19 de março de 2009 13:40
Paloma, a mãe disse...

Dé,adorei seu relato. Também tenho histórias assim! Mas acho que elas ficam melhor como histórias (passageiras) mesmo. Sorte a sua que, quando ficou de verdade com ele, já trabalhavam em lugares distintos. Menos chance para o desgaste.
Beijos

19 de março de 2009 15:08
jmgcastro disse...

Concordo com a Debora... Se não for para conseguir um cargo, que mal tem. Eu já tive caso com colega de trabalho, quando era estagiária, alguma coincidência... e era simplesmente demais, quando estavamos juntos e tinhamos que fingir a todos que não se passava nada.
Depois de tempo, eu e meu marido, que na epóca era noivo, também fomos trabalhar na mesma empresa, na mesma sala. Era muito bom. Mas tem seus incovenientes, pois quando se briga, ou está chateada com o parceiro, tem que ir junto ao trabalho, mesmo que em silêncio absoluto, fica um em cada baia e pronto. Mas também é super legal abrir o mail e ver na caixa de entrada um pedido de desculpa ou simplesmente "Te amo". Dá vontade de sair da sua cadeira e correr para a baia do lado. Só acho que tem que ter hora para fechar o ponto. E isso faziamos bem. Quando chegavamos em casa, era proibido falar de trabalho. E assim é até hoje. Não estamos na mesma empresa, nem na mesma sala, mas estamos trabalhando na mesma obra. E continua muito bom. Desculpe o tamanho do comentário, mas queria deixar minha experiência.
Bjos

19 de março de 2009 15:49
日月神教-任我行 disse...

ssd固態硬碟 外接式硬碟 餐飲設備 製冰機 洗碗機 咖啡機 冷凍冷藏冰箱 蒸烤箱 External Storage Solid State Drives 關島機加酒 關島婚禮 關島蜜月 花蓮民宿 彈簧床 床墊 獨立筒床墊 乳膠床墊 床墊工廠 巴里島旅遊 巴里島spa推薦 巴里島機票 巴里島行程推薦 記憶體 情趣用品 情趣用品USB Flash DrivesMemory Cards 產後護理之家 月子中心 坐月子中心 坐月子 月子餐 投資美國物業 美國租金報酬 美國房屋買賣 房地產投資說明會 美國房地產 美國置產須知 美國房屋物件 SD記憶卡 隨身碟 高雄當舖 高雄汽車借款 高雄機車借款 高雄房屋二胎貸款 高雄汽機車免留車

17 de junho de 2015 20:31