sábado, 6 de novembro de 2010

O casal gay, o rodeio das gordas e a preconceituosa do Twitter

Eu sou uma sonhadora. Ainda bem que não sou a única – me confirma John Lennon. Do contrário, estaria ferrada. O problema de ser sonhadora é que eu sempre acho que as coisas “estão mudando”. Que as pessoas estão melhorando. Que o mundo está cada vez melhor. Até me deparar com notícias como as das duas últimas semanas. Primeiro, aquele casal gay que foi alvo de agressão física e verbal em uma festa da USP. Da USP. Henrique, um deles, disse que só esse ano, foram quatro casos similares.

Depois fiquei sabendo daquele tal de “Rodeio das Gordas” da Unesp (da Unesp) no qual os meninos literalmente laçavam meninas acima do peso durante um evento da universidade. Ao se justificar, um dos caras que criaram o tal rodeio disse: “Mas a gente fazia isso com as magras também!” Ah tá!

Por fim, eis que me surge a menina que estava causando no twitter com frases do tipo: “Nordestino tem que morrer! Faça um favor a São Paulo: mate um nordestino por dia”. A menina é estudante de direito. De direito. Fiquei feliz em saber que a OAB-PE vai fazê-la responder por crime de racismo. E vai ficar na cola dela caso ela tente prestar o exame da Ordem em São Paulo.

Me pergunto se, apesar dessas histórias, posso seguir sendo uma sonhadora. Às vezes dá um desânimo acreditar na raça humana. Mas prefiro acreditar que a maioria sonha junto comigo.

Débora - A Sonhadora

ps: se o desejo da mina do twitter fosse realizado, esse blog se chamaria 2x30...

16 comentários:

Kilson disse...

Débora, o que seria do mundo se não fossem os românticos e os sonhadores?
Continue sonhando!Continue sendo uma inveterada sonhadora.
Todas as randes descobertas e todas as melhorias que temos no mundo não seriam possíveis de não existissem pessoas, que um dia ousaram sonhar.
Se não fossem os sonhadores, talvez essa garota que criticou os nordestinos, talvez passasse por despercebida.
Se hoje achamos nos chocam atitudes discriminatórias de todos os gêneros ainda estaria estagnas na idade média.
Sonhe, sonhe sonhe...e continue uma sonhadora!

PS: eu também sou nordestino, com muito orgulho!
Beijos

6 de novembro de 2010 01:56
Tati disse...

Eu sou sonhadora. E estes 3 exemplos são de minorias e o mais importante é que a sociedade reage, antes fazia vista grossa. Nasci, cresci e vivo em SP.. e repito sempre, que me dou bem com todos e a maioria das pessoas que passaram na minha vida são pessoas de bem!!
Detalhe:neta de italianos e indios, filha de paranaense com alagoano e casada com cearense..rsrs.

6 de novembro de 2010 09:02
Adriano Espíndola Cavalheiro disse...

Débora,

Eu também sou um sonhador, amo incondicionalmente a vida e as pessoas.

Dia destes, entretanto, numa audiência (sou advogado), na qual eu defendia uma senhora de 85 (oitenta e cinco) anos, num processo por danos morais, movido contra ela pela própria filha.

Danos morais não existiram, sendo que a ação é uma aventura jurídica, na qual a filha vis,a em verdade, abocanhar o dinheiro da mãe, antes de sua morte.

Minha cliente velhinha, tamanho o choque e a decepção, desmaiou duas vezes durante a audiência. Indignado o próprio juiz deixa a sala por uns minutos, o que eu faço também, mas não antes de reafirmar na cara da filha megera o que já constava de minha defesa escrita; QUE ELA QUERIA MATAR A PRÓPRIA MÃE,
E QUE O SEU COMPORTAMENTO, ME FAZIA DESANIMAR DA PRÓPRIA HUMANIDADE, VÍTIMA DOS MALEFÍCIOS DO CAPITALISMO.

Triste.

6 de novembro de 2010 10:30
Andarilho disse...

Ah, eu já desisti desse mundo. Estou esperando pelo próximo.

6 de novembro de 2010 10:44
3 x Trinta - Solteira, Casada, Divorciada disse...

Não me afoguem, não me afoguem!!!

Se liga, Mayara Petruso, somos TODOS brasileiros. E nós, nordestinos que em São Paulo vivemos, aqui pagamos impostos, compramos casa própria, vamos ao shopping movimentar a economia, ajudamos esse estado a crescer e ser grande e forte como é.

Minhas mais severas críticas à agressão ao casal gay e ao rodeio das gordas.

Bela - Divorciada

6 de novembro de 2010 13:23
Desbaguncando disse...

as vezes eu penso como o Andarilho

vou lançar uma campanha no twitter também...

Pense! antes de sair abrindo a boca...

Liberdade de expressão é uma coisa...outra é a necessidade dessa carente aí em chamar atenção e achar que vai abafar...tem uns aí que se contenta até com propaganda negativa pra aparecer...

santa falta de auto estima

Imagine eu sem Belinha...não seria a mesma sem Minha alagoana fofa...

sem a Minha Magrela, Amiga Mari que me chama de Betonildes...Minha Mainha Naty que seeempre me ouve nas minhas emices...

imagine se não houvesse NE...bolo de rolo...manteiga de garrafa, vatapá, oléo de dendê, carne de sol...tá eu seria um ser bem mais magro e saudável...hauehuaheua

viva a auto estima!

Bjos Amores

6 de novembro de 2010 13:41
Anônimo disse...

Ainda bem q existem os poetas: pq se n fossem eles os reacionários de plantão já teriam dominado o mundo... Bravatas pela indignação e olho vivo na luta constante pelo simples direito de viver.

bjs a tds

Ass: o viajante

6 de novembro de 2010 14:01
Amanda Luna disse...

Oiii, o que deixa chocada é saber que em pleno século 21 aidna existam pessoas preconceituosas e que incentivem a violência como se fosse algo natural!!! é uma pena que AINDA existam pessoas assim!!!
beijão
www.sermulhereomaximo.com.br

6 de novembro de 2010 15:58
Vanessa Marques disse...

Tem um filme chamado "Um Dia Sem Mexicanos" que mostra o que aconteceria com os EUA caso todos os latinos sumissem do mapa do dia para a noite. Em uma palavra, o país entraria em colapso. Deviam fazer um filme chamado "São Paulo Sem Nordestinos", pra mostrar pra esse povo preconceituoso o efeito devastador que esse estado teria caso sumissem com esse povo tão trabalhador.

6 de novembro de 2010 17:59
Paula Li disse...

Faço coro com Andarilho. Estou a espera do próximo mundo.

7 de novembro de 2010 11:43
Blog Sozinha ou Acompanhada disse...

Débora querida....
Eu não desisti desse mundo não! Ao contrário, ele está mudando sim! E tem muita gente que não endossa essas babaquices, apenas o marketing do demônio é poderosíssimo!!!! Tem um ditado em inglês que diz "good news no news" e é mais ou menos isso mesmo, boas notícias não aão notícias. Os(as) gays, as(os)gordas e os(as)nordestinos têm sim uma legião de fãs e somos nós que fazemos o coro da não aceitação desse monte de bobagens! Por isso precisamos gritar bem alto esse "não" aos preconceituosos. Agora cá entre nós, se eu soubesse desse rodeio das gordas na Unesp teria pêgo a CARABINA do meu pai e ido lá!!!!! hahahahahaha....
beijocas queridonas,
Mari

7 de novembro de 2010 16:34
João Alves disse...

Olá!

Gostaria de fazer um comentário sobre o caso da usp. Se você ler a carta inteira do casal e as cartas de repúdio perceberá que a festa era aberta a qualquer pessoa.

Se você freqüenta as festas da usp, sabe que a ECA, a BIO e a FAU são unidades onde é muito comum observar homosexuais entre seus alunos, sem que haja nenhum tipo de homofobia. É bem provável que sejam pessoas de fora dessas unidades. Eu diria, 99%, afinal não estava lá.

E uma última coisa: mais esse caso mostra que a sociedade precisa discutir isso. Porque é como o racismo. Não adianta só fazer com que seja crime a discriminação. É preciso que haja uma grande discussão sobre o livre-arbítrio sexual. Chega de só reprimir. Repressão não resolve repressão.

8 de novembro de 2010 00:15
Cristina Ramalho disse...

É uma pobreza de espírito sem tamanho, né verdade?! Lamentável esses acontecimentos... :( ... bjos

8 de novembro de 2010 09:58
Paloma, a mãe disse...

Deb, também desanimo quando vejo estas pessoas... Como pode, meu deus, em pleno século 21, ainda haver tanta gente tosca e preconceituosa assim?
Beijos indignados

8 de novembro de 2010 12:23
Yasmim disse...

Preconceito é coisa séria, sou paulista e moro na região metropolitana do Recife, trabalho com educação, e vejo como indignados estão os nordestinos com o fato, o que me entristece é que na revolta muitos acabam por cometer o mesmo erro do preconceito, pessoas com a mente perturbada como dessa garota, não consigo ver de outra forma tem em todo lugar, então vamos combinar "sem rotular" ninguém, todos acima de tudo somos seres humanos e por tal merecemos respeito independente de nossa aparencia, naturalidade, opção sexual, condição financeira ou o que quer que seja.
Sou sonhadora, romantica, mulher, mãe,sou sepsrada, sou educadora e por tudo isso acredito ainda que podemos fazer esse mundo melhor, se cada um fizer sua parte, ainda alimento essa esperança mesmo com meus 47 anos e espero morrer com ela.
O que falta nesse mundo é amor e afeto.

8 de novembro de 2010 16:47
Evelin disse...

“Que vergonha para nós do grupo do Direito".

Severa crítica como diz Bela.

Mas pode acreditar Débora, a maioria está com vc!

Quando morei em Sampa, fui "vítima" de infinitos preconceitos, e acreditem, daqueles que saíram de dentro de casa!

Começava com meus primos. O mais velho, que nasceu no em Manaus, onde somente viveu seus 3primeiros meses de vida, dizia para todos que eu era do norte e que por isso EU era burra e não sabia falar! Ele NUNCA diz que é amazonense!

E terminava com minhas professoras. A última, quando me perguntou de onde eu vinha, por ser novata na escola, ao ouvir minha resposta, desenhou um mapa do Brasil no quadro para se certificar de que Belém que EU me referia era a cidade do Pará e não o Bairro de São Paulo!

Sabe, "odeio" paulista! Odeio ainda mais quando minha família diz ser PAULISTA! Quando amigos, que passam a morar em Sampa, também se dizem PAULISTA! TUDO POR VERGONHA!

DEFINITIVAMENTE, NAO ENTENDO TUDO ISSO!

Desculpe-me ai qualquer coisa e principalmente os paulista, claro que isso tudo (pode ter sido) um caso particular.
=*

12 de novembro de 2010 12:50