sexta-feira, 26 de novembro de 2010

Sem açúcar e sem afeto

Nasci porque faltou camisinha na hora H. E meu pai sempre fez questão de me jogar isso na cara. Eu levo na esportiva, mas, no fundo, dói. Minha meia-irmã sim foi uma criança desejada. Minha mãe e meu padrasto a quiseram e a mimaram. Eu ajudo a mimar a pequena também. Ela é minha bonequinha. Faço com ela o que gostaria que tivessem feito comigo. Mas eu, bem, eu cresci sendo jogada de lá para cá. Meus pais não ficaram juntos. E cada um mora num canto do Brasil. Não criei raízes. Acho que por isso não consigo desgrudar do meu namorado. A gente briga muito, eu sei. Mas a família dele me acolheu e hoje é a minha família. Quando eu engravidei, pirei de tanta felicidade! Pensei: agora sim vou ter a minha própria família!! E vou amar meu filho ou filha do jeito que eu gostaria de ter sido amada. Só que aí eu perdi o bebê dois meses depois...ficou um vazio enorme. As pessoas me dizem que se aconteceu é porque era para ser. É porque eu não estava pronta. É porque virá outro mais bem preparado. Não consigo concordar com nada disso. Eu já conversava com o bebê, sabe? Eu já tinha pensando em tudo. Agora não sei o que fazer da minha vida. Não sei se mudo para São Paulo, Sorocaba ou pra Bahia. Não sei se vou ter um filho com meu namorado. Não sei nem se meu namoro vai continuar. A única coisa que eu sei é que se faltar camisinha na hora H é porque eu quis assim.

*depoimento criado a partir das conversar que tive com uma bichinha maluquinha que eu adoro muito

Débora - A Separada

11 comentários:

Andarilho disse...

Sei não, mas não acho muito saudável jogar todo o afeto pra um futuro rebento.

Terapia já.

26 de novembro de 2010 08:50
O Divã Dellas disse...

Bem, esse lance de gravidez indesejada é suspeito. Sempre digo isso. Afinal, se duas pessoas entram num ato sexual, sem usar preservativo ou algum outro meio contraceptivo então, é porque querem um filho... Querem, ao menos, correr um risco.
Eu engravidei do meu ficante quando tinha 31 anos. E aquele POSITIVO foi a coisa mais doce de se ouvir... Meu filho tem 2 anos e 9 meses. É lindo, amado, desejado. Eu e o pai nos damos bem, mas não temos um romance. Não engatou. Ele assumiu o filho e sempre que está na cidade (mora a quase 2.000km daqui) reserva um dia para o pequeno. Eu me magoei muito e trago feridas dentro de mim, no que diz respeito a romances, mas nada disso interfere na minha relação como mãe. Meu filho me completou em muitas coisas. A gente aprende junto, cresce junto. Enfim. Economizei bastante com o analista (rsrsrsr).
Se não rolou camisinha na hora H é porque, ainda que sem querer admitir, alguém queria estocar fraldas.
Beijo beijo beijo!!!!
(by Cinthya)

26 de novembro de 2010 09:47
Verônica disse...
Este comentário foi removido pelo autor. 26 de novembro de 2010 10:05
O Divã Dellas disse...

Lidar com rejeição não é nada facil, parabéns pra maluquinha que soube superar isso. Melhor ainda é saber que ela tem um montão de amor dentro dela pra doar ao bebê que muito em breve ela terá.
Mas, só uma dica, vê direitinho aí esse pai, se o namoro não vai bem segura a onda um pouquinho, pra o bebê não passar pelo q vc passou tendo os pais separados.
Como minha parceirona bem sabe pais serados não é sinônimo de infelicidade e nem tão pouco pais juntos é felicidade garantida. Mas... é bom analisar.

Boa sorte pra futura mamãe e muitas felicidades pra todos. Otimo final de semana!

Beijos pras três!

Verônica

26 de novembro de 2010 10:08
Carol disse...

Já me encantei pela maluquinha, rs!

Ela nasceu porque foi escolhida pela vida.
Torço muito para que ela consiga entregar todo esse amor quando o filho ou filha chegar!!!

Beijos

26 de novembro de 2010 13:40
Carla disse...

Cuidado !
Filho geralmente filho é só da mãe, veja bem se é isso que seu namorado quer também ...


Bjs

26 de novembro de 2010 14:53
Olívia disse...

Ahhhhhh que maluquinha maluquinha mesmo!

Adoooooooro ***

.olívia.

26 de novembro de 2010 16:19
Adriano Espíndola Cavalheiro disse...

Triste uma pessoa triste assim.

Tão contaminada pela tristeza que se transforma em mix de frustração e desesperança.

Ui.

26 de novembro de 2010 20:28
Eu mesma! disse...

Ahhh eu não sei nem o que falar!
Puta texto!

Obrigada Débora!

27 de novembro de 2010 14:06
Neo disse...

Que tenso menina!
Estas coisas todas que falam acaba não fazendo sentido nenhum mesmo. Perdas são perdas e ponto.
Sempre estou por aqui, mas estou falando pela primeira vez. O blog é lindo e os textos, ótimos!
Grande beijo pras três.

Neo
Todos os Sentidos

28 de novembro de 2010 21:22
Evelin disse...

Concordo com vc. Fazemos escolhas a todo o tempo. O que não escolhemos são os resultados infelizes.

3 de dezembro de 2010 12:53