quarta-feira, 26 de janeiro de 2011

Nunca se esqueça de quem você é

Uma amiga minha de longa data está sofrendo. Uma rejeição amorosa a tem colocado à prova. Ela chega a duvidar de si própria. Se questiona se é alguém que vale a pena. Se é alguém por quem alguém lutaria. Está se sentindo desprezada. Eu sei bem como é. Você, provavelmente, também. Eu estive nesse lugar não faz tanto tempo. Numa história bem similar à dela. E lembro de cada detalhe desse sentimento. Um coração destroçado pode fazer misérias com a mente. Eu cheguei a tal ponto em que colocava o homem por quem eu tinha me apaixonado em um pedestal. Ele era o inteligente, lindo, bem-sucedido e firme em suas decisões – afinal, não tinha me escolhido e não voltou atrás. Eu era a qualquer coisa. Uma mulher qualquer, uma amante qualquer, uma jornalista qualquer, uma trintona separada, sem filhos, qualquer. E que não conseguia ser firme: escrevia para ele toda vez que a saudade apertava, mesmo sabendo que ele já não me queria mais. Eu era a derrota em pessoa. Visitei o princípio de uma depressão ao me colocar num lugar tão baixo de uma hierarquia criada por mim mesma.

Um dia, chorando de desespero e de vergonha, peguei meu álbum de fotografias de quando eu era bebê e criança. Vi muitos sorrisos. O meu, o da minha mãe, o do meu pai. Da vovó que já morreu, da vovó que tá viva. Vi minha irmã mais velha me apertando como se eu fosse a bonequinha dela. E vi minha irmã mais nova dependurada em mim. E então, disse para mim mesma: você tem uma história, você é importante para essas pessoas, você tem uma origem. Nunca se esqueça de quem você é. A partir de então, aos pouquinhos, comecei a voltar à superfície. Hoje, olhando para trás, não sei como me deixei cair naquele buraco de tão baixa auto-estima. Mas, como tudo, foi de grande valia. Nem que seja para poder, agora, dizer isso para você: Se um dia duvidar de si próprio, pegue um álbum de fotos e reconte, em voz baixinha, sua história. Por pior que pareça a dor, nunca esqueça de quem você é.

Débora – A Separada

23 comentários:

☪ حنان مصطفى ☪ disse...

Oie! Sei que não é fácil, pois eu também fui separada e só Deus para me dar forças e continuar firme e sem desanimar... Pois sabia eu que uma filha eu tinha que cuidar e assim juntas encontramos um novo caminho e felizes e em um novo lar.
Beijokasss que Deus Abençoei a todas vcs...
Hanan Mustafa e as Florzinhas
www.trakinandocommamae.blogspot.com

26 de janeiro de 2011 00:40
Clarissa B. disse...

O que mais dizer??
Nunca devemos esquecer nossa história... quem somos... tudo por que passamos... e saber que a estrada ainda está no começo...
E que parece bobo... mas no final tudo dá certo... se não deu certo.... é, é isso mesmo, não chegou no final ainda!!
Bjo.

26 de janeiro de 2011 01:00
Decor e salteado disse...

Ô, como é difícil esse momento... Ainda mais quando o relacionamento dava aquela sensação de unidade e de plenitude. Parece que nunca mais seremos bons e 100% sem a outra pessoa. Mas a verdade é que nascemos sem ela e que o único relacionamento que durará a vida inteira é o nosso conosco mesmo, por mais duro que possa parecer. Por isso precisamos nos amar, estar bem conosco, ter segurança em quem somos e da história que temos. Sem arrependimentos. Só aprendendo e tentando melhorar sempre.

Bjs. Lindo texto, Deb. Força pra sua amiga.

Lu

26 de janeiro de 2011 02:05
Van disse...

É sempre assim...quando não nos querem somos as primeiras a nos afundar, a nos diminuir, a nos menosprezar e passamos a achar que o outro é um deus e nós somos a raspa do tacho...

Já passei infinitas vezes por isso e, agora, que já ultrapassei a barreira dos 30, disse chega, vou ser mais eu daqui em diante e, quem quiser andar comigo que saiba admirar o brilho que tenho, no mais, não servirá para andar comigo se não souber me valorizar !

Temos de voltar a nos enxergar, com a Deb disse, temos uma história, uma origem e se chegamos até aqui é porque fizemos por onde. Ninguém deve bagunçar nosso mundo interior sem nossa autorização ! Devemos nos amar sempre, acima de tudo. Por mais difícil que seja a situação, por mais forte que seja toda a dor e seguirmos em frente. Grande Beijo.

26 de janeiro de 2011 07:20
As primas disse...

Posso chorar?
Ahhh eu acho que to nessa portinha da depressão, mas não vou entrar!!!

LINDO TEXTO =)

26 de janeiro de 2011 08:29
Ácidas e Doces disse...

Oi Débora
Sentir desprezada é terrível. É sonhar constantemente com um buraco se abrindo no chão e você sendo engolida para sempre. Muito bom ver como você deu uma rasteira no sentimento ruim.
Beijo
Kézia

26 de janeiro de 2011 09:37
Patrícia Costa disse...

lidar com a rejeição não é fácil... e quando ela acontece por 3 vezes consecutivas, por pessoas e relações diferentes... Vc pára e pensa: "o problema só pode ser comigo!"

É um angustia e uma dor indescritivel, chegar a faltar o ar...

:/

26 de janeiro de 2011 10:12
Andarilho disse...

Lindo post.

26 de janeiro de 2011 10:27
Evelin disse...

Isso mesmo! Certíssima!

Tive depressão por dois anos, não desejo isso para ninguém.

bjs

Evelin

26 de janeiro de 2011 10:44
Nina disse...

ô, Deb, que lindo isso!
Adorei!

E é isso aí, é isso mesmo...

Beijão!

26 de janeiro de 2011 11:09
3 x Trinta - Solteira, Casada, Divorciada disse...

Lindo! A força sempre está dentro de nós, concordo.

Beijão,

Bela - A Divorciada

26 de janeiro de 2011 11:49
André Julião disse...

Belo.

Parabéns.

26 de janeiro de 2011 12:24
Flavia Werlang disse...

OBRIGADA, DEB!!!!!

26 de janeiro de 2011 12:55
Dan disse...

Sei bem como eh isso. Aconteceu comigo há quase três anos... e graças a Deus... nos últimos meses tenho saído daquela depressão que vivia.

Eh bom, finalmente, ter força e coragem para recomeçar!

Beijooss

26 de janeiro de 2011 14:17
O Divã Dellas disse...

P-E-R-F-E-I-T-O!
Sou eu que determino o meu valor!
Beijos,
Cinthya

26 de janeiro de 2011 14:56
Blog Sozinha ou Acompanhada disse...

É piegas, mas verdadeiro. É preciso cair várias vezes para aprender a se levantar. Ainda bem que vc se levantou altiva.

Beijo,

Irma

26 de janeiro de 2011 16:29
João do Espírito Santo disse...

Deb,

Você esta corretíssima e acho que isso vale não só para o ambito amoroso mas em outros ambitos da vida, onde somos massacrados por julgamentos, inveja e ataques, saber quem você é, quem te é realmente importante é a base da resiliência.

Parabéns!

26 de janeiro de 2011 17:53
Anônimo disse...

Lindooo Deb.
Muito obrigada pela força que este post me deu.

Beijo

26 de janeiro de 2011 19:50
Marta Melo disse...

Muito lindo e verdadeiro!Posso postar no face?Com os devidos créditos claro!Bjs

26 de janeiro de 2011 20:39
3 x Trinta - Solteira, Casada, Divorciada disse...

Claro, Marta!
Fique à vontade.
beijão
deb

26 de janeiro de 2011 20:44
Giselle Mota disse...

Que lindo Deb, sempre que precisar, vou praticar a sua ideia ;)
beijokas

26 de janeiro de 2011 21:21
Psicóloga disse...

Leio esse blog religiosamente todos os dias!!

Kd dia me impressiono mais com a maturidade de vcs e a indentificação é impossível de não acontecer...

Apesar de estar um pouquinho longe dos 30 ja vivi mts historias iguais as de vcs.

Continuem sempre nos contemplando com essas deliciosas reflexões sobre a vida!

26 de janeiro de 2011 22:07
Juliana disse...

Eu aprendi uma frase que tem a ver com esse post:

"I love myself because I am me".
"Eu me amo porque eu sou eu".

27 de janeiro de 2011 04:18