quinta-feira, 20 de janeiro de 2011

Sobre casamento

A Fá, do A Doçura do Mundo, pediu e eu resolvi atender. Afinal, desde que me separei pela segunda vez de um mesmo homem, o blog ficou carente de uma visão fixa sobre casamento. Claro que logo, logo uma de nós três casa de novo e isso será devidamente suprido. Enquanto arroz não chove em nossas cabeças, vai aí minha breve reflexão.

Fiquei pensando sobre o que penso de casamento. E me flagrei esboçando um sorriso. É gostoso perceber que apesar de termos seguido por caminhos diferentes, tenho um carinho imenso não só pelo meu ex como também pelo que vivemos juntos. O casamento é difícil. Quando você percebe, está minando o amor com coisinhas mundanas como louça, grana e programação de fim de semana. Uma coisa é fato: nós, mulheres, cedemos muito mais. Vamos muito mais à casa da sogra, assistimos muito mais jogo de futebol com eles que eles novelas e séries americanas com a gente, lavamos MUITO mais a louça e a roupa e nos preocupamos muito mais com a casa que eles. Pode ser o casal mais moderno do mundo, sempre haverá um tiquinho de desequilíbrio.

Tem momentos, no entanto, que valem o descompasso, as briguinhas tolas, as brigas sérias e o peso silencioso da rotina. É muito bom ter alguém com quem compartilhar o dia, é muito bom ter alguém para ouvir nossas besteiras, sonhos e ideais logo no café da manhã. É maravilhoso fazer planos com alguém, mesmo que depois eles não se concretizem. É bom saber que tem alguém que está sempre pensando e se preocupando com você. É delicioso poder chorar no colo do marido tal qual criança quando tudo dá errado. É essencial ter alguém que te lembra sempre das qualidades que você esquece que tem. É gostoso sentir aquela aproximação safada e inesperada no meio da noite. A lista é imensa. E cada casamento tem as suas particularidades.

Mas acho que todos os casados, e os que já foram casados, concordam que o lado bom do casamento é essa grande parceria amorosa, esse trabalho de construção de duas vidas em um só espaço. Que é, também, bem difícil de manter. É regar plantinha todo dia. Enquanto existe amor, é uma das melhores experiências que uma pessoa pode viver.

Portanto, solteiras, não se assustem muito quando a gente começa a dizer que casar é encrenca e que a vida só piora. A gente carrega um pouco na tinta, principalmente logo depois que se separa. Mas a maior prova de que é bom é que ta cheio de reincidentes por aí. Conselho de ex-casada? Casem, casem, casem! (E me mandem o convite, plis!)

Débora – A Separada

18 comentários:

Decor e salteado disse...
Este comentário foi removido pelo autor. 20 de janeiro de 2011 02:04
Decor e salteado disse...

Ixi... a minha lista de coincidências com essas três meninas do blog só aumenta... Como separada duas vezes do mesmo homem (não disse!), também tenho cá minhas restrições quanto ao casamento (pelo menos neste momento), mas sei que até que fique ruim pode sim ser muito bom! rs

Bjs

Lu
http://decoresalteado10.blogspot.com/

20 de janeiro de 2011 02:06
Alynne disse...

É isto aí Deb! Se não fosse bom casar as reincidências seriam inexistentes! Palavra de quem está para lá de feliz no segundo casamento. Bjão

20 de janeiro de 2011 07:47
Van disse...

Casar é bom, muito bom eu diria...mas é , antes de qualquer coisa, um grande desafio ! Só percebemos a grandeza desse desafio quando compartilhamos um pedaço da nossa vida com o outro, quando dividimos nossas dores e alegrias, quando dormimos e acordamos com alguém que consegue saber de nossas forças e de nossas fraquezas e é isso que alimenta o casamento. Porque, a partir do momento em que esse outro sabe quem somos , ele pode usufruir disso quando quiser finalizar a relação, ele sabe por onde fazer minar o nosso amor (e nós também fazemos e mesmo inconscientemente é o que acabamos fazendo).

Me casei, estou casada e casarei novamente, se preciso for. Se for com a mesma pessoa, ótimo, se não for, seja o que tiver que ser...

Cada caso é um caso e cada um sabe a dor e a delícia do que vive no amor. Adoro estar aqui com vcs ! Grande Beijo !

20 de janeiro de 2011 08:18
disse...

Adorei!!!!
Adoro essas reflexões de quem já passou pelas experiências e pode dividir seu ponto de vista. Achei incrível que mesmo o casamento tendo acabado vc retrata o lado bom da coisa, sinal de que vc foi esperta e não esperou o barco afundar pra se mandar e ser feliz. Sábia decisão...
Eu ainda não decidi casar, aliás ainda estou aprendendo a ceder, como você disse que nós fazemos. É difícil, né! Mas não é impossível.
Acredito que tudo acontece na hora certa, então quem sabe eu não caso? rsrsrs
E mando o convite, claro!
Beijinhos!

20 de janeiro de 2011 08:38
Olívia disse...

Enquanto meu príncipe está longe, lutando contra bárbaros e leões, e não chega logo para me conquistar, vou curtindo a vida de solteira! hahahaha


E do jeito que anda por lá (na guerra), vai demorar para esse dia chegar viu rsrsrsrsrs

.Olívia.

20 de janeiro de 2011 09:35
Evelin disse...

Finalmente, algo bom sobre casamento rsr

=D

20 de janeiro de 2011 10:15
Anônimo disse...

Somando o post de ano novo quando a Bela disse que ia tinha um grande sonho sendo acalentado no coração e o "logo, logo" que a Déb colocou neste texto aqui, to apostando que a Bela vai casar. Torço muito.

20 de janeiro de 2011 10:15
Giselle Mota (Japao) disse...

Casar eh uma delicia, dividir a vida e os sonhos com alguem eh bom demais...pena que a gente se deixa levar pelo amor e esquece da magica chamada CUMPLICIDADE! Se ela e o amor nao caminharem juntos, a longo brazo a vida a dois pesa muito!
Que o amor e a cumplicidade cheguem juntinhos pra todos nos divorciados que ainda acreditam no casamento ;)
Beijokas meninas

20 de janeiro de 2011 14:12
Fabiane Siqueira disse...

Casar é tudo de bom!!!
A intensidade, a segurança, a continuidade...
Enquanto houver amor... que seja para sempre!!!

20 de janeiro de 2011 16:27
3 x Trinta - Solteira, Casada, Divorciada disse...

Apoiadíssima!!! Casar é ótimo sim. Pode ser muito bom, acreditem.

Também sou das casamenteiras.

Anônimo, juro que eu conto quando for casar, hahaha!!! Morri de rir com o cruzamento de informaçôes.

Beijos,

Bela - A Divorciada

20 de janeiro de 2011 18:24
Marina disse...

Eu simplesmente ADORO um casamento. É um momento mágico, mas é uma pena que a magia dura tão pouco em algumas uniões... Viva o casamento!!!

20 de janeiro de 2011 19:07
Patricia Digue disse...

Eu sou a favor de curtirmos plenamente cada estado civil da vida, sem fica se lamuriando o tempo todo, pq isso é muito chato.

Bjs da Solteira

20 de janeiro de 2011 19:47
Alexandre disse...

Aos que não casaram,
Aos que vão casar,
Aos que acabaram de casar,
Aos que pensam em se separar,
Aos que acabaram de se separar.
Aos que pensam em voltar...

Não existem vários tipos de amor, assim como não existem três tipos de saudades, quatro de ódio, seis espécies de inveja.
O AMOR É ÚNICO,
como qualquer sentimento, seja ele destinado a familiares, ao cônjuge ou a Deus.

A diferença é que, como entre marido e mulher não há laços de sangue,
A SEDUÇÃO
tem que ser ininterrupta...

Por não haver nenhuma garantia de durabilidade, qualquer alteração no tom de voz nos fragiliza, e de cobrança em cobrança, acabamos por sepultar uma relação que poderia
SER ETERNA

Casaram. Te amo pra lá, te amo pra cá. Lindo, mas insustentável. O sucesso de um casamento exige mais do que declarações românticas.
Entre duas pessoas que resolvem dividir o mesmo teto, tem que haver muito mais do que amor, e às vezes, nem necessita de um amor tão intenso. É preciso que haja, antes de mais nada,
RESPEITO.
Agressões zero.

Disposição para ouvir argumentos alheios. Alguma paciência... Amor só, não basta. Não pode haver competição. Nem comparações. Tem que ter jogo de cintura, para acatar regras que não foram previamente combinadas. Tem que haver
BOM HUMOR
para enfrentar imprevistos, acessos de carência, infantilidades.
Tem que saber levar.

Amar só é pouco.
Tem que haver inteligência. Um cérebro programado para enfrentar tensões pré-menstruais, rejeições, demissões inesperadas, contas para pagar.
Tem que ter disciplina para educar filhos, dar exemplo, não gritar.
Tem que ter um bom psiquiatra. Não adianta, apenas, amar.

Entre casais que se unem , visando à longevidade do matrimônio, tem que haver um pouco de silêncio, amigos de infância, vida própria, um tempo pra cada um.
Tem que haver confiança. Certa camaradagem, às vezes fingir que não viu, fazer de conta que não escutou. É preciso entender que união não significa, necessariamente, fusão.
E que amar "solamente", não basta.

Entre homens e mulheres que acham que
O AMOR É SÓ POESIA,
tem que haver discernimento, pé no chão, racionalidade. Tem que saber que o amor pode ser bom pode durar para sempre, mas que sozinho não dá conta do recado.

O amor é grande, mas não são dois.
Tem que saber se aquele amor faz bem ou não, se não fizer bem, não é amor. É preciso convocar uma turma de sentimentos para amparar esse amor que carrega o ônus da onipotência.
O amor até pode nos bastar, mas ele próprio não se basta.

Um bom Amor aos que já têm!
Um bom encontro aos que procuram!
E felicidades a todos nós!

Beijos,

Ale

21 de janeiro de 2011 00:49
Andarilho disse...

Já dizia uma piada que se casamento fosse bom, não precisava de testemunha, hahaha.

Bem, como não passei e não pretendo passar por essa experiência, não tenho mais nada a declarar.

22 de janeiro de 2011 16:08
Ana disse...

Concordo muito! Plenamente.
Casamento é bom, compartilhar é maravilhoso e ter em quem encostar a perna quando está dormindo é muito bom.
Mas, tem a rotina que pesa e as louças que lavamos infinitamente mais!!!

23 de janeiro de 2011 22:57
Patricia Digue disse...

O Andarilho voltouuuuuu!!!
Welcome back, we missed you.

Bjs da Solteira

25 de janeiro de 2011 00:22
Andarilho disse...

Estava de férias

25 de janeiro de 2011 02:19