terça-feira, 9 de dezembro de 2008

A maçã podre do cesto

Dizem que as mulheres andam muito masculinas. Mas, ao mesmo tempo, o Mundo canta aos quatro ventos o desejo de resgate da feminilidade. Não soa curiosa essa movimentação de fluxos tão opostos, com a mesma intensidade e num mesmo momento? Acho que as mulheres já foram mais masculinas.

Muitas quarentonas e cinquentonas ainda carregam essa prerrogativa, já personificada no visual yuppie dos anos 80 e na postura carreirista a qualquer custo - que inúmeras ainda teimam em adotar sem perceber ser este um jargão caricatural, esfarrapado e infeliz que não remete a idéia de Força, pelo contrário. Não esqueçamos jamais das odiosas ombreiras num terninho de corte "barril". Sua tia certamente usou um desses.... :O/

Acredito que as trintonas estejam levando as coisas de forma mais leve e inteligente, se permitindo serem mais femininas ao adotar simples práticas como a de acreditar no casamento, conjugar filhos e trabalho, ou pelo menos ter vontade de tentar, curtir cada momento de cada vez e desconstruir o Príncipe, vê-lo como ser imperfeito que é. Graças a Deus que é, né?

Ou seja, empunham independência e atitude mesmo que sobre um salto, de maneira persuasivamente (e deliciosamente) feminina. Nos últimos tempos, só há uma coisa que venho ouvindo de forma recorrente nos papos delas e que, confesso, me deixa um pouco ressabiada. O tal Pau Amigo.

A questão não é a existência dele. Quem não teve o seu que atire a primeira pedra; sem querer ou naturalmente, mesmo que só tenha se dado conta disso depois do caso acabado. ;O)

O que me encana é a forma como a coisa vem sendo instituída. O tal Pau Amigo, grosso modo desculpem o trocadilho, é aquele carinha gostoso, gato, que você sabe que não vai dar em nada (e daí? Dane-se!), meio cabeça oca mas que é uma delícia para passar o tempo. Leram bem a definição? Agora, troquem o gênero onde necessário, carreguem um pouquinho mais nas tintas e imaginem um homem falando.

Desculpem, mas o Pau Amigo é a instituição mais machista em essência surgida nos últimos tempos. E pior, é uma emulação do pensamento masculino em sua forma mais rasa.

Quando vejo as trintonas da vida replicando a mais nova instituição do pedaço do jeito que vem fazendo, me sinto rodeada por um bando de estivadores, de saias. Geralmente, os atributos físicos do gajo são os que ocupam a maior parte do tempo. São as pernas, a barriga tanquinho, as costas incríveis e o sexo maratonista que inundam o papo em detalhes, numa enumeração frenética e escalafobética das vantagens de sair com o cara.

Sempre noto nestas horas uma necessidade imensa das meninas em ficar enumerando, classificando, justificando, se demoraaaando nesta parte. Me parece uma tentativa desesperada para fugir da afirmação óbvia e simples que é "Merda, estou transando com um babaca".

Vejo brilho nos olhos pelo que me soa ser mais fantasioso que realista. Na verdade, estamos falando de uma simples trepada. Só que aos trinta e bolinha a gente sabe, ou deveria saber, que transar apaixonada - que seja ainda encantada pelo conjunto da obra sem saber direito qual é a da situação - é mil vezes melhor. Então, porque se contentar com um simples "tanquinho" classificado de Pau Amigo? Já imagino algumas dizendo: "Mas é melhor do que ficar sozinha", "O que tem de errado? Tem que ser mais aberta!". Pergunto: É? Tem certeza? Desse jeito?

Outro dia vi uma peça, A Alma Imoral, baseada no livro do rabino Nilton Bonder. Em determinado momento, a atriz interpreta um trecho no qual fala da mulher, que ela é a que traz o conhecimento, ilumina a consciência do homem e nunca deveria ter aberto mão deste papel. Pôxa, nunca mesmo. Concordo. Mas convenhamos: iluminar a consciência de um par de coxas é praticamente missão impossível. Logo, o que há para se vangloriar?

Há pouco tempo, uma grande amiga começou a sair com um gênero P.A. O cara era bem mais novo, rato de academia e os amigos faziam exatamente o mesmo estilinho. Pareciam saídos da mesma fábrica de brinquedos. Ela, sempre que me falava do assunto, repetia como um mantra o tal rótulo e mais os 1.001 atributos (físicos) do cara. Praticamente um Bombril do sexo.

Quando conheci o moço pessoalmente, ele estava com os amigos. Quase tive um ataque de riso, um deles até parecia o Falcon, aquele boneco que seu irmão já teve na infância e que possuía uma alavanca na nuca para mexer os olhos, além da barba milimetricamente desenhada. Fui salva de tamanho constrangimento da gargalhada incontrolável ao me concentrar em cortar o beirute do jantar. Ali, entendi o discurso em looping que ela fazia toda a vez que conversávamos a respeito. Era necessário muito mantra para fugir da verdade inexorável.

Ok, quer ter P.A.? Então, dispense os detalhes, não repita mil vezes as "vantagens" querendo convencer a si mesma e aos outros de que está vivendo uma incrível história de amor (mulheres...). Seja como eles em sua pior versão. Use e jogue fora. Lavou, tá novo. Não há o que falar porque não é nada extraordinário. E ponto. Abandone a prática do disco furado de histórias sobre homens que não significaram nada. É perda de tempo. Resolva suas necessidades e bola pra frente.

Ah, sim, quanto a amiga... Tempos depois a história terminou. "Tivemos uma conversa, ficou tudo bem", resumiu. Parecia que estava comunicando fim de namoro. Não resisti à piadinha: Ué, mas Pau Amigo fala?

A Solteira

5 comentários:

sil disse...

Olha só,P.A nem sempre precisa ser um gato bonito e burro, mas pode ser um amigo bacana e querido prá deixar os tesões em dia.....sacou que não precisa ser machista?
bjão, a polêmica é genial.....

9 de dezembro de 2008 22:25
3 x Trinta - Solteira, Casada, Divorciada disse...

Taí, concordo com a Sil, o PA pode muito bem ser um AP - amigo, mas que também pode ter outras serventias...

Afinal, como vc mesma diz: que mulher não tem ou nunca teve um?

A casada - que casou virgem e nunca teve um PA...

9 de dezembro de 2008 22:32
3 x Trinta - Solteira, Casada, Divorciada disse...

Amiga Solteira,

Sacanagem falar do Falcon!!!!! Eu sempre achei o bonequinho tão gato, hahaha!!!!

Beijos,

A Divorciada

10 de dezembro de 2008 12:17
Rita H. Abematsu disse...

Olá Solteira, adorei o post, eu estava exatamente pensando em escrever algo do gênero, pois outro dia na novela A Favorita, rolou um papo assim com a personagem da Mariana Ximenes e uma amiga, dizendo que o ex era homem para se divertir e que o atual era homem para casar. Nós mulheres sempre odiamos esse rótulo e agora fazemos a mesma coisa? É tão mais bacana se assumir só e depois encontrar alguém bacana e curtir uma hitória. Existem homens e mulheres de todos os tipos e gostos, entretanto é surpreendente ver quando um homem se prepara e se cuida para um novo relacionamento, eles sofrem, ficam apreensivos tanto como nós ;)

10 de dezembro de 2008 12:28
日月神教-任我行 disse...

ssd固態硬碟 外接式硬碟 餐飲設備 製冰機 洗碗機 咖啡機 冷凍冷藏冰箱 蒸烤箱 External Storage Solid State Drives 關島機加酒 關島婚禮 關島蜜月 花蓮民宿 彈簧床 床墊 獨立筒床墊 乳膠床墊 床墊工廠 巴里島旅遊 巴里島spa推薦 巴里島機票 巴里島行程推薦 記憶體 情趣用品 情趣用品USB Flash DrivesMemory Cards 產後護理之家 月子中心 坐月子中心 坐月子 月子餐 投資美國物業 美國租金報酬 美國房屋買賣 房地產投資說明會 美國房地產 美國置產須知 美國房屋物件 SD記憶卡 隨身碟 高雄當舖 高雄汽車借款 高雄機車借款 高雄房屋二胎貸款 高雄汽機車免留車

17 de junho de 2015 22:58