terça-feira, 4 de outubro de 2011

O que os sites de traição dizem sobre o nosso comportamento?

Toda semana eu recebo um release novo sobre um site incrível para pessoas casadas que querem pular a cerca de forma discreta, prática e sem grandes danos sentimentais. O que esse boom de ferramentas tecnológicas pró-traição diz sobre nós mesmos? Bom, primeiro, o óbvio: os casais estão entediados com o sexo nosso de cada dia e querem variar. Só que sair, xavecar, seduzir – e tudo isso com uma aliança no dedo – pode ser muito custoso. Nada como a praticidade que só a internet traz. Afinal, ali, os dois lados da moeda estão atrás da mesma coisa: sexo. Um adendo importante, as mulheres já são maioria nessas comunidades. E aí entra o segundo ponto: estamos traindo mais. Mulheres estão se permitindo entrar nessa esfera tão dominada pelos homens. E, por sofrerem mais preconceitos, preferem os caminhos mais discretos possíveis.

Na minha ‘humirde’ opinião, entretanto, esses sites mostram bem mais facetas do nosso comportamento. Apesar de parecer moderninho, me soa como um retrocesso, como uma coisa até meio brega, na qual é muito mais válido achar mecanismos de traição que olhar para dentro do próprio relacionamento. Não condeno as puladinhas de cerca não, pelo contrário, acho que às vezes elas são até saudáveis. Só que não acho que traição é coisa sistemática, que se procura, que se pratica como um jogo de pôquer só para lembrar a si próprio que - uh! Sim - sou sedutor(a). Acho que simplesmente acontece. E, se acontece, é porque tem que acontecer. Quem caça é porque tem muito medo de olhar para o que anda mal no casamento e, pior ainda, pânico da palavra “separação”. E cadastrar-se num site desses é procurar traição de forma sistemática.

O outro ponto é essa ilusão de achar que por estar protegido por uma comunidade que garante “só sexo sem compromisso” não vai acontecer de você se afeiçoar, se apaixonar, gamar e querer terminar seu casamento. Ahã, Claudia, senta lá. Deve acontecer aos montes.

De qualquer forma, apesar de eu achar que eles mostram que ainda temos muito o que evoluir no que diz respeito a relacionamentos, amor e sexo, acho válido, claro. Se eles existem, é porque há demanda. E se há demanda é porque tem gente precisando disso. E se isso torna as pessoas mais felizes, então, que sejam bem-vindos.

Débora – A Separada

12 comentários:

Eu disse...

Concordo plenamente, as pessoas tem horror da palavra separação. Vão empurrando com a barriga uma relação que não existe mais e vivem de mal com a vida.

Poucos conseguem lidar com a dor da separação e com o pacote que vem embutido: desilusão, fracasso, constatação da falta de amor de uma ou das duas partes do casamento. Ainda tem a família para encarar.

Não condeno ninguém que prefere viver uma união cômoda, com eventuais traições.

Mas escolho sempre ser feliz e ter alguém feliz ao meu lado. Doeu muito a minha separação, mas prefiro ter me separado do que está até hoje casada e infeliz.

Lu Motta

4 de outubro de 2011 08:43
Giselle Mota disse...

Acho que, esse comportamento e site existem, nao so por medo do divorcio ou por "preguica" de melhorar o que esta faltando no casamento, mas sim pelo simples fato do GRANDE MEDO que as pessoas tem de ficarem sozinhas...
Muitos homens, ainda se casam, nao por ter encontrado o grande amor da vida deles, mas porque ja "aproveitaram" bastante e querem a comodidade de ter sexo diario, filhos, casa, comida e roupa lavada...
Ja no caso das mulheres, acho que por medo de sairem de um relacionamento seguro(casamento) e depois nao encontrarem uma outra pessoa para formar uma familia...

4 de outubro de 2011 08:55
Andarilho disse...

Se a pessoa souber separar sexo e amor, pode ser interessante.

4 de outubro de 2011 09:03
Tuka Siqueira disse...

Não sou puritana nem falso moralista. Acho que cada um sabe de si e deve arcar com as consequencias de suas escolhas. Mas concordo com vc quando diz que estamos a cada dia olhando menos para dentro de nós mesmos, tratando nossos relacionamentos com superficialidade e descartando-os sem procurar encontrar aonde estão as falhas e tentar corrigi-las.
Vivo um casamento longo (quase 19 anos) que tem seus altos e baixos e às vezes sim, me dá vontade de chutar o balde. Mas aí, penso em tudo de bom que esse homem e esse relacionamento agregaram à minha vida, e vou buscar soluções para os períodos de trevas. Sempre vale a pena. Sempre nos renovamos e enfrentamos mais um longo tempo sem crises. Aí vem outra, mas novamente damos chance à ESSE relacionamento.
Acredito que as pessoas hoje em dia não estão mais interessadas nisso, acham que dá muito trabalho. Eu, ao contrário, acho que dá muito trabalho arruamr um amante, tenho preguiça só de pensar em ter que ficar arrumando desculpas e criando despistes só para variar no sexo. Quando estou entediada, simplesmente falo pro meu marido que estou entediada. Inventamos novas formas de nos divertir. Funciona, é só tentar!

Abraços

4 de outubro de 2011 09:33
Marta Melo disse...

Muito interessante seu post e os comentários.A Lu Motta resumiu tudo o q acho.Bjs!

4 de outubro de 2011 11:07
3 x Trinta - Solteira, Casada, Divorciada disse...

Uhuhu, gostei da polêmica. Acho que homens e mulheres sempre traíram na mesma quantidade e na mesma medida desde que o mundo é mundo, a única diferença hj são os instrumentos (de encontrar parceiros, desculpem o trocadilho rs). Afinal, se tem gente que casa com quem encontrou na net, pq não trair também?

Bjs da Solteira

4 de outubro de 2011 13:08
Thalita disse...

As pessoas estão extremamente individualistas e egoístas, por isso traem; para satisfazer o "EU", os prazeres do "EU". A vida é feita de ação e reação, causa e consequência e trair é assumir necessariamente algo ruim como consequência, podem ter certeza. Nada, nada, nada justifica uma traição. Tá insatisfeito? Tente melhorar, como a Tuka disse, mesmo que dê trabalho. O mundo moderno tem facilitado muito a vida das pessoas, nos mais variados aspectos. O mundo evoluiu tecnologicamente, em termos de medicina e afins, mas a moral do ser humano hoje em dia está DEGRADADA. Isso é simplesmete resultado do que mencionei anteriormente: do EGOÍSMO.

4 de outubro de 2011 14:05
Eduardo Alexandre Rodrigues disse...

Até aqui tudo bem no que tange trair (No discurso isso me parece bem fácil). Seja no mundo real ou seja no virtual (Como o que propõe este texto). Mas sinceramente não sei não....algumas coisas podem sair do controle.
Concordo com o que a Tuka disse, e tem mais. Creio que alguém comentou sobre ação e reação. Conheço casos onde a "saidinha" por aventura e tédio, fez com que uma vida inteira se acabasse emocional e financeiramente. Sem dó nem compaixão. Por puro egoísmo e satisfação momentânea. Devassa total.l..por isso, se estiver com tédio vá plantar batata....se tiver cansado da rotina vá escalar o monte Everest. Mas nunca faça algo que possa ferir a moral e confiança de alguém. Pois mesmo esta pessoa não sabendo....a vida cobrará depois! E cobra...pode ter certeza. Nada melhor que o sono dos justos...em todos os aspectos. A questão não é ser moralista, mas tem uma conduta moral. Coisa que muitos esquecem...e está na hora de batermos nesta tecla.

4 de outubro de 2011 15:09
Evelin disse...

Olha, gostei muito do texto, das idéias... até li o texto ontem com o meu namorado...

Então, trata-se de pessoas que não se resolve consigo mesma, querem tudo, mas nem sabem o que quer e como quer, e tem medo da solidão, mas também nem sabem o que é a solidão... Trair de forma sistemática é sintoma de solidão...

Beijos

Evelin

5 de outubro de 2011 10:01
Anônimo disse...

Fico super assustada com essas perspectivas da tecnologia. Vamos por partes. Esses dias, estava me informando sobre uma campanha "Make sex, not porn". Trata de buscar sensibilizar as pessoas que o sexo real nao é necessariamente igual a filme porno. Pode nao ser nem de longe, inclusive, se pensarmos em termos do prazer feminino (falo do lado que conheco).Vale a pena conhecer, e so dar um google. Acho que li uma reportagem numa revista brasileira que deu a indicacao. O acesso a pornografia esta tao amplo que esta virando o principal orientador sexual da garotada, ja imaginou as consequencias???? Tanta coisa da pra ser falada so sobre este ponto.
A outra é essa profusao de sites de relacionamento, nos quais sou uma iniciante. Gente, ser humano nao é descartavel. CAda um traz, em um relacionamento, qualidades e defeitos. Sera que a gente desistiu de investir nos relacionamentos estaveis em troca do fast-food???? Se precisa investir um pouco, a pessoa ja pula fora???? Socorro, peco ajuda aos universitarios.
Beijos
B.

5 de outubro de 2011 12:31
Millena Lyra disse...

Concordo com vários posicinamentos descritos até aqui mas atentemos para a questão de que se o indivíduo se vê incapaz de honrar um compromisso monogâmico - ASSUMIDO POR SI MESMO -, que isso fique bem claro para ambas as partes. Logo, procurar a felicidade, prazer, o que seja, é lícito e louvável desde que não se fundamente sobre bases como enganar o outro e "trapacear" no jogo do amor.

15 de outubro de 2011 16:24
Anônimo disse...

não acredito que seja apenas uma questão de preguiça falta de vontade falta de amor de melhorar o relacionamento.
o fato é que hj menos pessoas , homens e mulheres, se preocupam mais em melhorar sua própria vida a se preocupar com o parceiro.
geralmente o homem que se casa cedo demais, quer aproveitar hoje o que nao fez no passado, e a mulher sentindo a revolta de fazer de um tudo para que o relacionamento não caia na rotina na mesmice na idiotice, acaba se cansando e sai em busca de aventuras, que nao significa que seja para sempre, pode ser algo que venha a apimentar a relação marido x mulher.pode ser que ela experimente e nao goste..

30 de janeiro de 2013 10:29