segunda-feira, 3 de outubro de 2011

Seu dilema: “Acho que estou apaixonada, mas não sei o que fazer”

O dilema de hoje traz a história de Rafaela*, que depois de muito tempo curtindo a vida de solteira, se vê envolvida com um amigo, mas está muito confusa.

O Trio

“Eu tenho 33 anos, não sou o tipo de mulher que se envolve, e fiquei assim depois de uma desilusão muito grande. Me fechei como uma concha, sempre que me envolvia com algum homem, eu já era a primeira a deixar claro que não passaria de sexo. E consegui aguentar essa vida por 8 anos, até uns meses atrás.
Foi quando conheci o Rafael*, ele tem 22 anos e nos tornamos muito amigos. Ele chamou minha atenção aos poucos, mas eu nunca quis admitir isso. Nem nunca quis admitir que eu também tinha chamado a atenção dele, mesmo ele tendo comentado com uma grande amiga nossa. Sempre tivemos muito carinho um pelo outro, do tipo que dorme junto, que anda abraçados. Fiquei bem apreensiva e dei uma pirada, porque mesmo me atraindo, não queria pensar nele dessa forma, com medo da nossa amizade mudar.
No último final de semana nós viajamos com mais um casal de amigos, e tudo aconteceu, ficamos muito juntos, muito mesmo. Mas antes de tudo conversamos e combinamos que a amizade não mudaria de forma nenhuma.
Mas não foi só sexo, houve muito carinho, principalmente da parte dele, pois eu a todo momento me policiava, apesar de ter em mente que ia aproveitar ao máximo o final de semana sem pensar no depois. Ele foi além das minhas expectativas, se preocupava comigo, me tratou muito bem, fez até cena de ciúmes e sempre me lembrava que não podíamos nos envolver (como se dissesse para si mesmo), trocamos muitos olhares significativos e nos conhecemos melhor.
Enfim, o final de semana passou.....A amizade não mudou, mas algo dentro da gente sim, temos nos falado todos os dias, sempre sobre alguma coisa irrelevante, mas jamais sobre o que aconteceu.
Eu tenho me sentido sufocada, pois não sei lidar com essa situação, queria poder sumir um pouco da vida dele, mas sei que não posso, pois jurei que não mudaríamos nada.
Acontece, que eu não esqueço o que passou e queria muito saber se ele também se sente assim......por isso preciso de vocês, quero opiniões.”

*Os nomes são fictícios