sábado, 11 de julho de 2009

Não foi como o planejado


Hoje foi dia de tarefa árdua. Fui finalmente retirar as minhas coisas - livros, CDs, pastas, arquivos, fotos, peças de decoração etc - do meu ex-apartamento. Escalei a Cláudia para ir comigo. Porque além do carro e dos dois braços a mais, eu precisava de um ombro muito do amigo caso começasse a chorar e repetir a mesma lenga-lenga que venho repetindo para minhas amigas desde que me separei.

Passamos primeiro na Etna para escolher umas caixas bonitinhas. Minhas coisas merecem ficar bem guardadas. Escolhi uma de florzinha, uma de bolinha e uma de plástico muito feia, mas com rodinhas e alcinhas. Super prática. Chegamos lá e descobrimos que subestimamos a quantidade de pertences que eu ainda tenho. Faltou caixa. Mas demos um jeito. Joguei duas sacolas inteiras fora. A Clau me fez jogar fora lembrancinhas que não fazem mais sentido, as minhas 12 medalhas de corrida (dos tempos que eu tinha asas nos pés), fitas com entrevistas do passado e disquetes com trabalhos da faculdade. Até as minhas duas primeiras tábuas de madeira que eu quebrei com a mão (coisas do aikido) ela me fez jogar ("Coisa quebrada você joga fora!").

Quase todo o tempo eu fui firme e forte. Mas uma hora eu encontrei um papelzinho solto dentro de uma agenda antiga...era a minha lista de desejos/metas do meu aniversário de 26 anos (2005). Ali estava tudo o que eu gostaria de ter feito até os 30. E eis-me aqui com 30. Quando comecei a ler, desatei a chorar. Nada saiu como o planejado. Não fiz nada do que me propus. Na verdade, fiz sim: meu plano de previdência. Mas com quatro anos de atraso em relação ao proposto...E de fato aprendi a falar inglês com decência. E só.

Fiquei arrasada. Me senti um fiapo de gente. Uma pessoa mal planejada. Cheia de metas e ideias e de pouca ação. Comecei a chorar e maldizer o passado cheio de projetos e sonhos. A Clau me abraçou e disse: não tem problema que não saiu como o planejado. Mas saiu de outra maneira tão boa quanto. Mas foi um verdadeiro balde de água fria aquela listinha...

Respirei fundo e continuei a arrumação. Tentei esquecer aquele maio de 2005. Onde eu estava? Com quem eu estava? Onde trabalhava? Com o que eu sonhava? Nada disso importa mais. Quebrou-se, como as tábuas de madeira. E o que se quebra, me ensinou a Clau, a gente deixa para trás.

beijos e ótimo sábado de chuva (ao menos em São Paulo!)

Débora - A sem metas...
.
ps: a outra lição aprendida no dia foi - nunca mais compre a caixa de bolinhas. É bonitinha, mas ordinária.
ps 2: título e foto claramente inspiradas (roubadas!) de uma matéria que li na revista Sorria, da DrogaRaia e do Graac.

18 comentários:

Chris Carvalho disse...

Oi Débora, há 2 anos passei pela experiência da separação. Foram muitas noites sem dormir, muitas lágrimas, mas sobrevivi. Hoje aos 36 anos, com um filho de 6, me considero uma mulher feliz e realizando meus sonhos!
A felicidade é uma busca constante!
Boa sorte na nova vida!
Beijo,
Chris

11 de julho de 2009 18:02
Andarilho disse...

Geralmente a gente não consegue manter mesmo os planos. E muitas vezes é até bom, alguns desvios são muito mais interessantes do que qualquer coisa que a gente imaginasse.

11 de julho de 2009 18:06
Ƹ̵̡Ӝ̵̨̄Ʒ Sheila Ƹ̵̡Ӝ̵̨̄Ʒ disse...

Oie Deb. Seu texto como sempre, cheio de sentimento. Esses são sempre os melhores. Sentimento guardado é como a tábua quebrada: só ocupa espaço, pois não serve mais para nada. Entendo a frustração pelas metas não alcançadas. Acredito que esse é o sentimento predominante após qualquer separação. Mas, com o tempo você vai voltar seus olhos para tudo aquilo que nunca pensou em colocar numa lista, e hoje se tornaram realidade. Como, por exemplo, compartilhar sentimento no mundo virtual de forma tão espontânea ;-) Beijocas chuvosas (aqui em Floripa também está o dilúvio)

11 de julho de 2009 18:19
3 x Trinta - Solteira, Casada, Divorciada disse...

Dé, você fez tantas coisas a mais e tão mais incríveis que a listinha foi, digamos, um rascunho.

Na hora de colocar em prática, como sempre, a gente acaba encontrando outros caminhos.

Do papel para a vida real tem sempre um ajuste e você, tenha certeza, fez cada um da melhor maneira que pode. Beijo carinhoso, Gio - A Solteira

11 de julho de 2009 18:21
3 x Trinta - Solteira, Casada, Divorciada disse...

Oi Gatona,

A Clau está certíssima: joga esses cacos fora e siga em frente.

Pense que vc tem uma vida inteira pela frente para executar uma lista nova e melhor. Por que não?

Beijão,

Bela - A Divorciada

11 de julho de 2009 18:35
Paloma, a mãe disse...

Tô com o Andarilho: alguns desvios são muitos mais interessantes - e eu aposto que vc aproveitou muito bem cada um deles!
Beijos

11 de julho de 2009 20:13
Nina disse...

Puxa, Débora, estou assim também!

Recém separada, nada tendo de meu a não ser os sentimentos... E tentando evitar a sensação de fracasso pessoal (nem sempre consigo...)

beijo e paz para vc!

http://meninadecachos.blogspot.com/

11 de julho de 2009 23:38
Anônimo disse...

Dedé, minha amiga querida... Eu entendo essa sensação... encontrei muitas surpresas ao abrir gavetas e armários da minha ex-casa.Também coloquei a história e os objetos da minha vida em caixas, passei adiante o que não usava mais e joguei muita coisa fora. Mas hoje mais do que nunca tenho a certeza de que é preciso jogar fora o que está quebrado e deixar um espaço vazio para o novo entrar.
Desejo só coisas boas no teu caminho!
Beijão
Geo

12 de julho de 2009 00:58
Proprietári@ disse...

Uma vez li uma frase que jamais me saiu da cabeça... quem vive de passado é museu!
Meio grosseira, mas altamente verdadeira.

A vida continua... e dias melhores sempre vêm.
Não conseguiu atingir as metas que eram importantes no passado, foda-se!
Trace as que lhe importam agora... e se não conseguir atingir essas tbém, outro foda-se!
E de foda-se em foda-se vc vai escrevendo sua história, consertando o que não tá legal e sendo feliz em cada etapa... a vida é isso!

Adorei isso aqui!

12 de julho de 2009 01:05
Judith disse...

Débora,

todos temos um rastro de metas não cumpridas, mas de surpresas boas que as substituíram. E a Gio está certa: aquela listinha era apenas o rascunho.
Bom domingo!

12 de julho de 2009 01:29
Judith disse...

E Bela, obrigada pelas palavras.
Grande beijo!

12 de julho de 2009 01:30
Luana* disse...

Você tem que sempre tentar melhorar como pessoa e não ficar preocupada pq n realizou metas que .anos. atras escreveu em um papelsinho.

"Lembre que o seu maior inimigo é vc mesmo"

Não de tanta importancia assim a pequenas coisas ^^

beijos

12 de julho de 2009 12:25
Silvia disse...

Dé,vc. v. quer me ensinar a planejar e eu te ensino a rasgar listinhas ????
Podemos tb.fundar a tribo das mulheres esquartejadoras , q. tal ?
Agora, falando sério,a vida pode ser bem dramática(como nossos ultimos capitulos bem
mostram) mas somos todos capazes e merecedores de sermos felizes !
Bóra, querida!

12 de julho de 2009 21:53
Rita H. Abematsu disse...

Uma coisa eu aprendi nessa vida, planejar é bom, mas veja bem o que está planejando, dependendo do tipo de metas, vai gerar uma ansiedade desnecessária e no futuro frustrações. Siga o conselho da sua amiga Claudia e o que está quebrado jogue fora, você me deu uma ótima idéia, eu tb tenho as madeiras quebradas, vou jogar agora mesmo!

Alias este post inspirou-me a escrever. :)

Beijo grande e força amiga!!!
Rita

13 de julho de 2009 10:00
Nikita Ferraz disse...

Infelizmente a vida não é um planejamento e toma rumos diferentes. O importante é focar nos novos caminhos e colocarmos força nisso. É o que está fazendo agora! Viva isso!
beijos

13 de julho de 2009 19:13
Beta disse...

*dá um abraço beeeem pertadinho*

nessas horas que penso como o desapego é bom...elimina dores e sofrimentos a cada olhada!

sobre a frustração da listinha...nem preciso de uma listinha...me imaginava beirando os 30 totalmente diferente...deixa eu parar de pensar pq eu estou tentando me libertar da crise existencial me assola desde que me formei...

lendo o Meme que Vc tinha feito me lembrei do passado distante...e de tta coisa que queria ter feito e sido...mas minha Vida tem o hábito de dar 180º constantemente...e as vezes a movimentação não é das mais animadoras não...mas o importante é andar!

já diz aquela frase "até um pé na bunda faz a gente andar pra frente"
importante é movimento!

Beijos Querida

14 de julho de 2009 09:57
Karla Gisele disse...

Eu simplesmente amooo o blog de vcs!
Sou nova na blogosfera, mas chego lá.
Parabéns!

19 de julho de 2009 19:57
Ana Cecilia disse...

O post é de 2009 mas para mim é bem atual: nunca passou pela minha cabeça que, aos 40 anos, meu marido me abandonaria grávida e com um filho pequeno? E as minhas primas perguntam como eu não incluí um quarto de empregada no projeto da minha casa...

22 de fevereiro de 2011 23:42