terça-feira, 14 de setembro de 2010

Prefiro ser como o Fábio Jr.


“E o Fábio Jr, que já está no sétimo casamento? Hoje em dia é um tal de casa, separa, casa, separa, que eu nunca vi”.

Respondi dizendo apenas que achava que o Fábio Jr. tinha acabado de acabar o seu quinto ou sexto casamento, não o sétimo. Até chequei a informação para escrever este post: Mari Alexandre foi a sexta mulher do pai do Fiuk. O mais curioso da cena era que, enquanto aquela mulher criticava o cantor pelas suas várias experiências matrimoniais, o marido dela, ogro total, chegou e saiu daquela sala sem sequer dizer “oi” ou “tchau” olhando para ela. No máximo se dirigiu a todos os presentes. E isso de forma muito seca. Beijinho então, nem se fala. Tal gentileza aquela dali não deve ter faz tempo, deu para perceber. Tanto que, sempre que se refere ao companheiro, é para dizer coisas como “ele é advogado especializado em direito tributário, um homem muito ocupado” ou “acabamos de comprar o modelo mais completo do carro tal”.

Pois eu prefiro ser como o Fábio Jr. Ter me casado seis, sete, oito, dez, trinta vezes, mas em todas ter tentado ser feliz, ora essa. Ter me apaixonado, amado e sido amada. E não viver décadas ao lado de alguém que sequer olha para mim ao entrar ou sair de um lugar. Deus me proteja.

Quando é que as pessoas vão entender que felicidade não tem nada a ver com a duração de anos de uma relação dita estável?

Isabela – A Divorciada

23 comentários:

Juju Balangandan disse...

Belinha, concordo e assino embaixo! A maioria ainda se entope de paradigmas tão desgastados.

Hoje comemoro meu primeiro desaniversário de casamento, um ano de separação, muito feliz!!!

Um beijo e muitas coisas boas para você e para todos que acreditam apenas na felicidade.

14 de setembro de 2010 01:05
O Burro que chora disse...

Em cada relacionamento aprendemos algo...
E sou um eterna apaixonada...
Viver um casamento sem sal não consigo...
Quando meu casamento começa a ficar frio reclamo logo...
Viver sem ter um beijo bom, abraços, eu te amo não dá...
Prefiro casar o quanto for necessário mas viver por viver sem sentir a emoção de amar tô fora...
felicidades

14 de setembro de 2010 07:36
3 x Trinta - Solteira, Casada, Divorciada disse...

Afinal, como disse meu "amigo do avião": o pior casamento é aquele que dá certo!!!! hahahahahaha

Vou convidá-lo para fazer um post aqui e dar o devido crédito pela frase brilhante.

E VIVA A CAÇA E O CAÇADOR!!!

Deb - Separada e caçadora

14 de setembro de 2010 08:28
Evelin disse...

Bela, não sei pq nao gosto desses seus post ssrsrs

Pq será q não dá para pensar em separacao antes de casar?

bj

14 de setembro de 2010 08:37
Devaneios Breves disse...

Tb concordo que precisamos buscar a felicidade em nossos relacionamentos. Mas também não acho que isso deve ser uma busca obssessiva, afinal vivemos um uma indústria de "felicidade".

Se é bonito ver um casal "muito feliz" na rua, também acho bonito os casamentos que não esbanjam essa felicidade que a mídia vende, mas exigem exercícios diários de entrega e compreensão.

É poético ver quem abandona o barco e segue o mundo atrás de felicidade. Mas também acho poético o que fica..., e acredita que o amor é bem mais do que o tempo feio que surgiu naquela manhã.

14 de setembro de 2010 08:41
Albuq disse...

Belaaaaaaaaaaaa assinadíssimo!

concordo com você, e quem dera ser como Fábio Júnior que arriscou várias vezes tentando ser feliz, se apaixonando, amando.... Arrasou!Bjs

14 de setembro de 2010 08:59
Flávio P. disse...

Belinha!!!! Estou com você e não abro! hahahahaha

Beijos

14 de setembro de 2010 09:43
Flávia Shiroma disse...

Nossa. Você falou tudo agora.
Concordo plenamente. Pena que na prática as coisas não são tão fáceis assim, pois conheço muitas mulheres que abriram mão totalmente da sua vida profissional e que, diante de uma separação, não teriam nem para onde ir.
Casar e separar várias vezes é mais fácil ou mais simples para quem tem uma boa condição financeira. Caso contrário, tudo fica mais complicadinho. A não ser que o próximo candidato à marido seja rico! Que tal um Fábio Jr. da vida?? rs

Ótima postagem meninas!
Vim aqui através do blog "Sozinha ou Acompanhada" e já estou seguindo.

Bjs

14 de setembro de 2010 09:56
Evelin disse...

Ah, duas colocações:
Foto lindissima do Fábio Jr!!!
E assim, os casamentos terminaram por traição por parte dele... mtos em menos de um ano, como disse Breves aí emcima, "indústria da felicidade".

bj

14 de setembro de 2010 10:33
Evelin disse...

Ah, duas colocações:
Foto lindissima do Fábio Jr!!!
E assim, os casamentos terminaram por traição por parte dele... mtos em menos de um ano... como disse Breves aí emcima, "indústria da felicidade"?!?!?!?!

bjo

14 de setembro de 2010 10:34
Andarilho disse...

É o famoso eterno enquanto dure.

14 de setembro de 2010 10:36
Tuka Siqueira disse...

Concordo em parte com voce. Viver infeliz ao lado de alguém por conveniência ou aparências é o Ó. Mas os casais hoje banalizam o casamento. Atiram-se numa união levados apenas pela paixão e não levam em consideração que terão que viver juntos. Unem-se já pensando que se não der certo é só separarem-se e pronto. Assim, nas primeiras brigas, fazem as malas e dão o fora, não esforçam-se para ajustarem-se um ao outro, conviver. Quando falo de ajuste, não estou falando de submissão nem de anulação de um em favor do outro, mas de ajuste mesmo, coisa que só se consegue com amor, diálogo, compreensão e despreendimento. Vivo com meu marido há 18 anos, temos períodos de trevas, mas estamos sempre buscando a luz. Posso dizer que tive vontade de me separar muitas vezes, mas o amor que sinto por ele me fez relevar suas falhas e me dispor a tentar mais uma vez. Se voltamos a brigar, são por novos motivos, nunca pelos mesmos, afinal a vida muda a cada instante.
Acho que vale a pena investir numa relação onde há amor. Claro que o exemplo em questão não é muito indicativo de que haja isto, mas acho que o Fábio Jr também não deve conhecer o amor, apenas paixões. Troca cada mulher por uma mais jovem e bonita como se ele próprio não envelhecesse e não ficasse feio. Acho lamentável para ele que seja assim. Vai acabar a vida sozinho.

14 de setembro de 2010 10:37
alessandra disse...

Tambem concordo em ser passional como o Fabio... mas daí casar...rsrs
To separando agora, dá um trabalhão a divisão dos bens: Eu fico com a torradeira, eu fico com o ventilador de teto...kkkk
Gente fina é outra coisa..
Beijos

14 de setembro de 2010 11:59
Zoe disse...

Querida Bela,
seu post fala, mais claramente, da mesma coisa que comentei no SozinhaOuAcompanhada ontem! O papel dessa senhora está muito claro: meu marido advogado... E nada de felicidade! Num posso julgar se está certo ou não, mas, na boa, para mim, não serve! PRECISO ESTAR APAIXONADA! E concordo contigo: prefiro ser Fábio Júnior!
Adorei!
Um cheiro!

14 de setembro de 2010 14:13
nanda disse...

Bela, eu não tenho uma impressão pessoal. Não fui casada, nem noiva... E meus relacionamentos duraram no máximo 6 meses! Isto por incompatibilidade de tempo, momento e sentimento. Posso emitir minha impressão diante do casamento dos meus pais e avós. Meus pais estão juntos desde os 15 anos (hoje têm 53 anos) e ambos trabalham. Minha mãe parou de trabalhar quando eu e meu irmão éramos pequenos, mas assim q crescemos meu pai a estimulou a voltar ao mercado de trabalho, estudar e aprender a dirigir! Ambos me parecem felizes juntos e separados. Têm uma relação saudável, mas sofrem atritos tb! E com o passar do tempo noto que os dois estão ficando diferentes, tipo meu pai querendo conhecer o mundo, andar de moto e minha mãe curtir a casa e os filhos crescidos... E isto tem gerado "tristezas momentâneas" nos dois. Mas mesmo assim, eles tem vários momentos "apaixonados"! Eles curtem ver o que construiram juntos: família, estabilidade financeira, amigos. Não vivem uma "paixão constante" ou um conto de fadas permanente! E nem por isso decidiram se separar ou achar o casamento sem sentido e buscar várias aventuras. Amor é construção, aperfeiçoamento, correções, compreensão e tolerância. E o que mantém uma relação é o amor, a paixão inicia a relação ou a reinicia. Bem, é isso que eu vejo...Não sei se prefiro ser como o Fábio Jr. Talvez o que ele procure não exista e ele seja tão infeliz qto a "mulher do advogado tributarista". Já pensou nisso? Beijocas!

14 de setembro de 2010 16:16
Luisa Dias disse...

Apoiado... Só quem não vive para apontar o dedo assim para a tentativa dos outros. Só quem vive para saber o custo e a coragem de sempre tentar de novo.

14 de setembro de 2010 16:44
Blog Sozinha ou Acompanhada disse...

Hey Belinha!!!! Com certeza como nunca casei mesmo de verdade acho que não terei tanto tempo para seis ou sete ou mesmo oito como Liz Taylor, a muler dos diamantes.... mas com certeza casamento sem paixão ou emoção ai que chato! Sei que é difícil uma montanha russa de emoções mas tb estou com o Fábio e não abro!
beijocas,
Mari.

14 de setembro de 2010 17:24
Judite disse...

ai ai ai... Não concordo não! Sou vou ser feliz quando for casada!

14 de setembro de 2010 20:11
Frô disse...

E viva o amor! O da sua amiga e do ogro passaram da fase do Kid Abelha ("O nosso amor se transformou em bom dia..."). Nem bom dia mais, credo.

Vale tentar ser feliz, sempre, mesmo que pra isso você tenha que casar 10 vezes.

14 de setembro de 2010 22:30
Lua Nova disse...

Também prefiro! Os casamentos que perduram tanto tempo sem amor, sem consideração e sem afinidades, o fazem a base de muito calmente e anti-depressivos. Isso não é mais casamento... muito menos vida.
Beijokas.

15 de setembro de 2010 00:23
Insana disse...

É saber viver o momento bom.

bjs
Insana

15 de setembro de 2010 13:53
Anônimo disse...

Bela,

Que bom saber que vc pensa assim!!!!!! QUanta mudança boa. Vou confessar que estou muito feliz por vc! Beijo.
Vanessa

16 de setembro de 2010 15:32
Anônimo disse...

Bravo!!!!
Daila

16 de setembro de 2010 20:32