terça-feira, 6 de julho de 2010

As divorciadas e o preconceito

Este é um daqueles posts-protesto que eu faço de vez em quando. Um texto em nome de todas as divorciadas que um dia já se sentiram discriminadas devido ao seu estado civil. A ideia de abordar o assunto surgiu numa conversa, por e-mail, com a nossa leitora Sílvia, que me contou a sua história.

Separada há cinco anos, por decisão dela, Sílvia até hoje se vê diante dos “olhares de piedade” de muita gente. Principalmente porque o ex dela já refez a vida dele ao lado de outra pessoa. Diante disso, ela não para de ser questionada se já tem um companheiro também, pergunta quase sempre emendada com um “mas o fulano já casou, né?”. Ou seja, uma cobrança do tamanho do mundo, como se ela não pudesse estar bem, vivendo a vida dela simplesmente, com saúde, com energia, com mil fontes de realização além do amor romântico entre duas pessoas.

Questiono, logo existo: por que homens divorciados são frequentemente tidos como colecionadores de corações, pegadores seriais, incríveis, indomáveis, enquanto mulheres na mesma condição são fracassadas emocionalmente? E só teremos redenção se, rapidamente, tivermos alguém para chamar de nossos? Por que ninguém tem “pena” dos divorciados? Para que vitimizar as divorciadas?

Eu já devo ter dito isso aqui em algum momento. E vou repetir: divorciados são pessoas que um dia se casaram e um dia viram terminar esse relacionamento. Simples assim. Que podem ser felizes de novo se quiserem. Seja no segundo, no terceiro, no quarto, no décimo casamento. O importante é não deixar de acreditar no amor. Nunca, jamais, se colocando como vítima dos fatos. Cada um na sua, cada um no seu tempo. Sem preconceito, minha gente!

Deixem as divorciadas em paz. E tenho dito.

Isabela – A Divorciada

22 comentários:

Juju Balangandan disse...

Bela, você é uma fofa! Faz brilhar dias cinzentos.

6 de julho de 2010 12:07
Lua Nova disse...

Oi, Isabella

Entendo perfeitamente o seu protesto. Sou divorciada, mas como me "casei" em seguida ao divórcio, não sofri com a "pena" das pessoas. Me separei do 2°, 8 anos e 2 filhos depois e o fiz absolutamente consciente. Era exatamente o que eu queria. Diga-se de passagem, ele é 10 anos mais novo que eu e fui eu que me separei. Mas, pra falar a verdade, nunca dei bola pra torcida.
Acho que o preconceito existe sim, um ranso idiota de tempos que já deveriam ter sido superados, riscados da memória coletiva. Mas fico pensando o quanto desse preconceito está dentro de nós mesmas, o quanto aceitamos essa "atitude de pena", de permitir esse questionamento sobre nossa vida amorosa, por carregarmos também uma vaidade ao avesso. Sou quem sou, fico com quem me faz bem e faço minhas escolhas. Disso deveríamos ter orgulho.
Sei lá... eu penso assim.
Beijos.

6 de julho de 2010 12:17
Lua Nova disse...

Bem...fiz uma imenso comentário, mas parece que não entrou. Vou experimentar esse.

6 de julho de 2010 12:19
Albuq disse...

Oi Bela!

E que tal pensar que "a divorciada" pode está muito bem sozinha? Que tal pensar que ela pode está seguindo seu caminho e que precisava desse tempo? Quem garante que "um novo relacionamento" significa FELICIDADE?

Acho que as pessoas julgam demais sem conhecer direito. E concordo com você: "divorciados são pessoas que um dia se casaram e um dia viram terminar esse relacionamento. Simples assim."

Gente, todo mundo merece começar de novo da maneira que lhe faz feliz!
Concordo com você totalmente Bela!!!
bjs

6 de julho de 2010 12:45
Danielle Cosme disse...

Ótimo texto..acho que quem é divorciada sabe exatemente o que é esse olhar de piedade..sou divorciada a seis anos, estou solteira desde então e muito feliz!!
Concordo ..deixem as divorciadas em paz!!
Parabéns pelo texto!!
bjs

6 de julho de 2010 12:51
Andarilho disse...

O negócio é não dar ouvidos a quem tem esse tipo de preconceito.

Se vc acha que vale a pena, explique. Se acha que a pessoa é tansa demais, dê um tchau mesmo.

6 de julho de 2010 13:26
Sylvio de Alencar. disse...

Ainda estamos novinhos nesses novos tempos; a sociedade no geral, cuja inércia com relação a mudanças é conhecida, tem a tendência de pré julgar baseada no tempo em que casamento era pra 'ad nauseam'.
Mudaram-se vários pensares mas ela (a sociciedade), tá ali: firme e forte em seus retrógrados conceitos.

Por isso vamos dar o valor que realmente têm (a sociedade, e o casamento)!

Abrçs.

6 de julho de 2010 14:17
Mãe 24hs disse...

Pura verdade! Hoje já melhorou bastante o preconceito, mas ainda existe. Parece que estar sem marido é um atestado de infelicidade. Mas no entanto muitas vezes é a porta da libertação e da evolução.
Beijos!

6 de julho de 2010 15:14
Lília disse...

O importante é não se deixar contagiar por essa pressão... ou seja não se sentit fracassada por que as pessoas acham que vc é uma coitada!
É foda que no mundo de hoje, isso ainda aconteça muito! Mas enfim!

6 de julho de 2010 16:25
mulherpolvo disse...

Hoje eu sinto mais pena das pessoas "piedosas" que não sabem se conter, e perguntam coisas como: vai casar quando?? e os filhos?? Etc.
São pessoas que não tem a percepção de viver a própria vida.

6 de julho de 2010 16:26
Mulher Faladeira disse...

Nossa! mas é péssima mesmo essa mania das pessoas quererem enquadrar as outras em padrões supostamente "corretos". Caramba, isso realmente é algo que me deixa louca. Se vc namora, querem saber qd casa. Se casa, quando terão filhos, se tem filhos, quando vem o segundo. Se separam querem saber primeiro o porquê e depois o que vc vai fazer? A pessoa nem sabe se vai estar viva no dia seguinte...
cho legal planejar, tenho muitos planos e sonhos e dou graças a isso, mas pelo amor de Deus! Não dá pra calcular milimétricamente a vida!
Ah! tá! E se a pessoa decidir que é mais vantajoso, barato e prazeroso comprar um , dois, mil vibradores a ter um único marido. Não pode?
Quer saber? esse pessoal nunca tá satisfeita. E tem mais, a mesma coisa não acontece se vc ficar viúva. Nesse caso esperam que vc morra junto com ele. E se depois de um tempo vc se casa, as pessoas perguntam: Ué, já?
Enfim, nem Jesus Cristo agradou a todo mundo, vamos deixar o mundo e tratar de ser feliz, pois isso por si só já é algo bem difícil e trabalhoso!
bjks,

6 de julho de 2010 17:14
Flávio P. disse...

Eu, como divorciado, também sinto esse preconceito!

Pouco tempo depois que me divorciei acabei entrando em um outro relacionamento (06 meses mais ou menos). Todos a minha volta, amigos, família, colegas de trabalho, desconhecidos me tacharam com maluco. Eles me disiam mais ou menos assim: “Como é que você acabou de se separar e já estava com outra pessoa? Você tem que curtir, o verão tava chegando, carnaval ta na "boca"...” Essas coisas se não fossem tão estúpidas seriam ate engraçadas...

Beijos aos que se divorciaram e estão solteiros curtindo e aos casados e também curtindo! Pois o importante mesmo é curtir o seu momento independentemente de estar solteiro, casado ou a procura!

6 de julho de 2010 18:36
Nina disse...

Eita!

Isso aí! Concordo! Assino aonde?

beijo

6 de julho de 2010 23:45
Decor e salteado disse...

Bela, sabia que cada vez que leio este blog eu gosto mais?? É inteligente, atual, fala o que a gente sente e pensa. Parabéns a vc, às meninas e à Sílvia, que sugeriu esse post. Aliás, suuuppper verdadeiro.

Separada que sou, sei o quanto você é olhada de forma diferente tanto por conhecidos quanto por desconhecidos depois do fim do casamento (ou quando nunca se casou). Felizmente, muitos têm a dignidade e a inteligência de saber que ninguém é diferente que ninguém e que todos podem passar por uma situação assim. Ser feliz vai muito além do que simplesmente ter alguém ao seu lado.

No mais, super beijo!

Lu

7 de julho de 2010 01:15
Andrea Pagano disse...

Oi Bela,
Adorei seu texto!

Fui casada durante 4 anos e depois nos separamos e agora estou com meu segundo esposo há quase 8 anos...

Não é facil suportar as críticas, porque vem na maioria de mulheres que até passam por isso e no entanto nos cobram o tempo todo. Além de estarmos sofrendo por uma série de perdas, porque perdemos o amor e a família do cara, que infelizmente às vezes gostamos das pessoas e não vamos mais poder nos relacionar...

Escolher a separação não é tarefa fácil para ninguem e não merece ser julgada, cada um sabe o que é o dia a dia, a convivência e toda situação...Isso é respeitar o próximo!

Fiz um post em maio, sobre como nós somos criticadas por nós mesmas, depois se tiver um tempo, dá uma lida...
http://blogandreapagano.blogspot.com/2010/05/enquanto-femea.html

Bjs com carinho!

7 de julho de 2010 09:26
Fabiane Siqueira disse...

Infelizmente as pessoas são preconceituosas, seja pelo estado civil, pela cor da pele, pela opção sexual, seja pela sua religião, enfim tornou-se natural ter preconceitos.
Na minha visão é só a tolerância geral que poderá mudar isso e para nos garantirmos para o futuro, ensinar nossos filhos que "é legal ser diferente"!!!

Adorei o blog!! 3 x parabéns!!!

7 de julho de 2010 11:54
Marta Melo disse...

Pois é Bela,somos muito mais felizes como mulheres divorciadas do que como viúva de marido vivo!!!rsrsrs

7 de julho de 2010 21:41
Anônimo disse...

Foi um alívio a minha separação. Eu queria muito isso e não tinha coragem de me manifestar. Ficava sonhando que um dia ele podia arrumar outra e fazer este pedido de separação mas isso não aconteceu e acabou virando uma grande encrenca. Não é tão fãcil assim. Sofro muito hoje por conta do desiquilibrio emocional dele que virou um pai ausente, uma criatura raivosa e que me bota medo. Não paga a pensão direito e briga na frente de meus filhos.Infelizmente nem tudo são flores. Isto me deixou infeliz . Tenho medo dele pq temos filhos pequenos e tento solicitar o mínimo. Queria algumas dicas. Alguém pode me ajudar? Como lidar com isso. Só quero poupar meus filhos mas tbm tenho raiva dele muita principalmente porque ele me agrediu fisicamente.
Um depoimento diferente dentre tantos mas acho válido pq ainda estou aliviada de ter tomado atitude mas a raiva me acompanha e gostaria de me livrar disso.

10 de julho de 2010 00:19
Debora Mello disse...

Estou separada há um ano e meu ex já tem outra é uma coisa horrível , sinto na pele esta discriminação. Os comentários são horríveis, e de quem vc menos espera, até minha mãe veio me acusar de algum problema, afinal ele refez a vida dele e vc . Eu me sinto bem ,`as vezes sinto falta de uma companhia para ir ao cinema..., mas a verdade é que ainda não apareceu ninguém interessante, então sigo minha vida e tento não ceder às pressões dos outros tentando me deprimir. Ninguém saí de uma relação inteiro , precisei de um tempo para sarar feridas e agora é que estou conseguindo olhar para o lado. Pior é o medo das amigas casadas que te acham bonita e legal , de que seus maridos se interessem por ti , parece que viramos fáceis ou vagabundas. O tempo passou mas a verdade é que ainda incomodamos muita gente, pelo simples fator de buscar a felicidade sem ter medo de deixar para trás um relacionamento que não deu certo, quando muita gente se submete a viver mal aos trancos e barrancos para manter a fachada de um casamento falido.

27 de março de 2013 16:35
robert wilian disse...

Minha querida ate eu que sou homem sofro desconfiança das pessoas,por eu ter uma boa aparencia muitos amigos tem medo ou acham que eu vou dar em cima de suas esposas,sou divorciado a 14 anos,sou um homem de bom carater,carinhoso,bem humorado,etc. e estou pressisando de uma pessoa sincera,onesta,carinhosa,me chamo JOSE VAZ, M.G. BETIM

31 de março de 2013 23:11
Unknown disse...

Minha situação é parecida

31 de julho de 2016 21:39
Unknown disse...

Minha situação é parecida

31 de julho de 2016 21:39